Além da crise que afeta todo o país, o estado do Rio Grande do Sul ainda vem encontrando mais problemas econômicos. Hoje (1˚), o Tesouro Nacional bloqueou todas as contas do estado em virtude da falta de pagamento na dívida com a União que o #Governo estadual possui. A parcela referente ao mês de setembro ficou em aberto e, por este motivo, além das contas bloqueadas, não haverá o repasse.

Bloqueio ocorre pelo 3˚mês consecutivo

Giovani Feltes, Secretário de Fazenda, afirmou que ao contrário do que diz o governador Sartori, o estado não quitou a dívida, pois não tem dinheiro para quitá-la. Esses atrasos têm ocorrido desde o mês de abril, sendo que julho e agosto as contas já haviam sido bloqueadas pela União, só sendo liberadas após o estado conseguir pagar a parcela.

Publicidade
Publicidade

Em estimativa feita pela Secretaria de Fazenda, acredita-se que no próximo dia 10, as contas serão liberadas, já que, provavelmente, conseguirão quitar a parcela da dívida graças ao valor arrecadado com ICMS no estado.

O valor da parcela devida ao Governo era de aproximadamente R$ 270 milhões de reais. Ela deveria ter sido quitada até ontem (30). O governador Sartori, porém, decidiu realizar o pagamento dos servidores de forma integral, afirmando que não deixaria a dívida influenciar na folha de pagamento do funcionário estadual riograndense. Desta forma, acabou que não conseguiu pagar a dívida, ficando inadimplente.

A crise gaúcha, que havia sido amenizada no mês de setembro, parece ter piorado, já que novamente as despesas do Governo aumentaram, sendo que é preciso repassar cerca de R$500 milhões para as prefeituras, além das dívidas que estão sendo feitas com fornecedores e hospitais conveniados.

Publicidade

Novo atraso e parcelamento de salários

O servidor estadual gaúcho pode esperar por um novo parcelamento de salário, tal como alguns atrasos para recebê-los, pelo fato do Governo de Sartori está acumulando outras dívidas, além das que já possui com a União. Isso ocorre pelo fato do Governo está tentando diminuir os juros das dívidas que já possui. #Crise econômica #Blasting News Brasil