Muita gente comemorou o fim da greve dos bancários, a qual atrapalhava diversas atividades cotidianas das pessoas, como pagamento de contas, abertura de conta, saque, entre diversos transtornos para a população. O grande problema, é que, por mais que ela tenha acabado, nem todos os bancos voltaram a realizar as suas atividades normalmente, e alguns ainda estão fechados.

Situação mais grave no Norte e no Nordeste

Em Alagoas, por exemplo, a grave terminou nos bancos privados (Santander, Itaú) e na Caixa Econômica Federal, mas ela se mantém no Banco do Brasil e no Banco do Nordeste do Brasil (BNB).

Já no Acre, região norte do Brasil, a situação é ainda pior, pois, o Banco do Amazonas, o maior da região, continua fechado, isso acaba prejudicando a situação dos clientes e das pessoas, que precisam resolver situações e muitas vezes não tem outro método.

Publicidade
Publicidade

Já no Amazonas, apenas o Banco do Brasil voltou a funcionar, todos os outros decidiram manter a #Greve.

Essa diferença de postura dos bancos do sudeste, sul e centro oeste, com relação aos do Norte e Nordeste, se deve aos benefícios que cada sindicato conseguiu, no Norte e Nordeste, os ganhos foram menores e as condições de trabalho são mais precárias, o que levou a essa decisão de manter a greve ativa. Os benefícios solicitados também parecem não ter sido atendidos pelos sindicatos locais, que decidiram adequar os reajustes de acordo com cenário econômico local, um tanto diferente do restante do país.

Centro financeiro do país volta a funcionar

Em São Paulo, centro financeiro do país, por abrigar a bolsa de valores e ser o Estado mais rico da nação, as greves dos bancos trouxeram muito prejuízo, principalmente para os trabalhadores, os quais, não tinham a quem recorrer.

Publicidade

A categoria decidiu terminar a grave, depois que os banqueiros aceitaram oferecer um aumento de 10% no salário dos trabalhadores. 

E você, o que acha do fim da greve dos bancários? Você foi afetado? Deixe seu comentário abaixo contando como você se virou sem os bancos abertos. #Finança #Crise econômica