O maior serviço de #Televisão na internet pode também ser um dos grandes caminhos para o futuro do jornalismo. Em tempos em que jornalistas em todo o mundo procuram empregos e também se reinventar na profissão, a Netflix promete grandes avanços na área midiática. A revelação foi feita por Ted Sarandos, diretor de conteúdo da empresa, nesta quarta-feira, 14, durante uma conferência. O que parecia apenas um aplicativo para assistir televisão se tornou um negócio bilionário e a Netflix hoje faz muito mais do que transmitir conteúdo de terceiros. 

Séries originais estão sendo produzidas, como 'Narcos', 'Orange is the New Black' e 'House of Cards'.

Publicidade
Publicidade

Investir no jornalismo televiso pela internet é o próximo passo da empresa americada. De acordo com Ted Sarandos, isso deve acontecer em no máximo dois anos. Ele apenas fala em estudos, mas disse que está pessoalmente empolgado com esse novo passo.

De acordo com Ted, a Netflix será muito mais aventureira no que diz respeito à notícia, diversificando os tipos de gêneros que existem hoje no mercado. Apesar de animar jornalistas de todo o mundo, Sarandos não especificou o quanto deve ser gasto com o novo projeto, nem mesmo quantos empregos devem ser criados.

Mas já pensou em participar em um projeto inovador como esse? Então é bom manter o currículo em dia. Uma das especificações necessárias para quem trabalha na empresa é o inglês. No Brasil, a empresa já tem algumas pessoas que ganham para assistirem aos programas disponibilizados na plataforma para fazerem sinopses em português.

Publicidade

O salário chega perto de R$ 10 mil. 

A empresa tem feito muitos investimentos na América Latina. Quem também falou sobre a nova empreitada foi Reed Hastings, CEO da companhia. Ele quis saber de Sarandos qual era a probabilidade da empresa competir com um grupo canadense de mídia que tem escritórios em mais de vinte países. O diretor disse que eram bem altos. Outra demanda que deve ser coberta pelo serviço é a cobertura de eventos ao vivo, em especial os esportivos.  #Desemprego