A #Crise econômica que o Brasil vem enfrentando tem causado um série de danos a diversas empresas, de todos os portes. Depois da gigante Marisa ter anunciado o fim as vendas diretas na semana passada, agora foi a vez da Oi, uma das maiores empresas de telecomunicações do país, a anunciar seu projeto de reestruturação.

Tal fato ocorreu devido as grandes perdas que vem sido sofridas pelos acionistas da Oi. Pra se ter ideia, a empresa teve uma queda de 63% (desde o início da crise) e entrou no processo de reestruturação para tentar dar a volta por cima e se reafirmar no mercado.

Das gigantes da telefonia, a Oi até o momento foi a que mais "sentiu" a crise e especula-se desde agosto, uma possível falência.

Publicidade
Publicidade

Anatel monitora afim de impedir danos ao consumidor

A Agência Nacional de Telecomunicações (ANATEL) vem monitorando a Oi desde meados do ano passado. 

O monitoramento surgiu por conta de uma avaliação feita por clientes, levando em consideração o elevado número de reclamações que a empresa possuía, associado aos problemas financeiros que já vinha sofrendo.

O fato é que a Anatel quer garantir um serviço de excelência independentemente da situação econômica da empresa, de modo que o consumidor não saia lesado.

Demissões em massa

A Oi tem realizado cortes no quadro de funcionários com frequência. De dezembro pra cá, houve 3 grandes demissões coletivas.

A última demissão em massa ocorreu no mês de abril, onde cerca de 3.700 pessoas perderam seus empregos. Somando desde o começo da crise, mais de 10.000 funcionários perderam seus empregos na multinacional de telecomunicações.

Publicidade

Oi e Tim podem se juntar: Entenda a fusão

Logo após o surgimento dos primeiros rumores a cerca de uma possível fusão entre Oi e Tim, as ações da empresa voltaram a subir e houve um aumento de 21,5%. A companhia Tim negou quaisquer tipo de parceria com a Oi mas ao que tudo indica, elas realmente precisarão se unir para aguentar a crise e superar as quedas bruscas nas ações para que consigam se reafirmar no mercado. #Governo #Finança