Phillipp Schiemer, presidente da Mercedes-Benz no Brasil, falou nesta quarta-feira, 14, sobre a #Crise no Brasil e como ela vem afetando os investimentos. Schiemer diz que é lamentável a falta de estabilidade para investir no país, "Mas se não tivermos previsibilidade, se ficarmos em altos e baixos, aí fica difícil", aleta.

O executivo se mostra preocupado em arrumar a casa, caso a situação da economia melhore. Em evento de lançamento de novos veículos, em São Bernardo do Campo, Schiemer diz que a empresa não pode olhar apenas para o momento atual, quando as tomadas de decisão forem relacionadas a investimentos de produtos.

Publicidade
Publicidade

"Tem de olhar o longo prazo, o Brasil tem um potencial muito grande de crescimento", disse ele. A Mercedes-Benz aderiu ao programa Plano de Proteção de Emprego (PPE), que tem como principal objetivo a redução da jornada de trabalho dos funcionários e a redução de salários, para não haver demissões em massa, e Schiemer fala sobre isso, mostrando-se satisfeito com os resultados obtidos desde o final de agosto, que foi quando a empresa aderiu ao projeto.

A empresa possui 8,9 mil funcionários cadastrados no Plano de Proteção de Emprego, antes da adesão a montadora pretendia demitir 1,5 mil funcionários par ajustar seus gastos, mesmo assim, segundo Schiemer, a empresa possui um excesso de 2 mil funcionários trabalhando.

"É a pior crise dos últimos anos, volume caindo, preço estável e custos aumentandoPara o ano que vem, não adianta fazer previsão. Mas estamos nos preparando para enfrentar um ano difícil", afirma.

Publicidade

No ano de 2015, o presidente notificou uma queda na produção de veículos pesados, entre eles estão ônibus e caminhões.

A Mercedes-Benz vê o Brasil com desconfiança, o presidente diz que não está vendo nenhuma crise mundial causando impacto, também diz que o problema é interno, e que o primeiro passo é reconhecer os erros.                                                                                                                                                  #Crise econômica #Blasting News Brasil