#Desemprego versus terceirização. Um dos movimentos mais significativos envolvendo a gestão de um canal de #Televisão deve acontecer nos próximos meses. A emissora de Edir Macedo, a TV Record, deve deflagrar um projeto que está assustando a todos os seus funcionários. O canal pode terceirizar todos os seus setores de produção. Oficialmente, a empresa de comunicação que briga para ser o segundo maior grupo do tipo no país, ainda não confirma esta informação, mas a ordem do dia evidencia que isso realmente deve acontecer. Na verdade, já teria até começado, quando a empresa contratou uma empresa de terceirização para dar conta de sua próxima novela, 'Escrava Mãe'. 

Fugindo dos gastos, que chegaram a R$ 700 mil por capítulo em 'Os Dez Mandamentos', a alta cúpula do grupo de comunicação chamou a Casablanca para ficar a frente de seus projetos.

Publicidade
Publicidade

Em um dos acordos mais curiosos da história recente da comunicação brasileira, a Record teria feito um contrato que a obriga dar suas novelas para a Casablanca, mas em contrapartida ter seus estúdios no RecNov, no Rio de Janeiro, alugados. A medida foi criada para fugir dos altos custos e também para tentar passar sem muitos machucados pela crise financeira e política por qual passa o Brasil.

Apenas no setor de dramaturgia do RecNov, seriam pelo menos 700 demissões. Nesta semana, a direção do canal chegou a marcar uma reunião com funcionários e também sindicatos, mas  na última hora, sem dar explicações, o grupo mantido com a ajuda da Igreja Universal do Reino de Deus, deu para trás. A informação foi confirmada pelo jornalista Flávio Ricco, que ainda acrescentou que o movimento de terceirização ficará muito além da dramaturgia.

Publicidade

O próximo passo será o setor de entretenimento e depois o jornalismo. 

Caso isso ocorra, milhares de pessoas devem ser atingidas em todo o país. Isso porque o canal precisará fazer um acordo coletivo, para assim conseguir promover as demissões. Em troca, estes funcionários demitidos teriam prioridade nas empresas terceirizadas.