Ainda na última sexta-feira, dia 9, já acuada com as seguidas e crescentes tentativas de compra provenientes sua principal rival, AB Inbev, a SAB Miller tentou evitar a venda e a consequente criação daquela que deve ser a maior empresa de cervejaria do mundo.

Para convencer seus investidores a não toparem o negócio, a SAB Miller anunciou na última semana um plano de corte de custos que previa economia anual de aproximadamente US$ 1,05 bilhão até 2020. A meta representava um grande avanço em relação à ultima estimativa de corte da empresa, de maio de 2014, que previa cortes de US$ 500 bilhões até 2018.

Para capitanear as tratativas que tentavam evitar sua venda, a empresa recrutou o presidente-executivo Alan Clark, que se reuniu com investidores para promover a ideia de que a SAB Miller estaria melhor como concorrente do que como aliada da concorrência.

Publicidade
Publicidade

"Continuamos a remover a duplicação nos mercados, levando expertise de especialistas em áreas como unificação de compras, e padronizando processos comuns", disse Clark, segundo informações da agência Reuters.

Aparentemente as justificativas não foram suficientes, e as empresas agora aguardam apenas o protocolo burocrático para formalizar a fusão. #Mídia #Finança #Crise econômica