Apesar de ser um dos maiores clubes de #Futebol do país, o #Corinthians também tem dívidas, mesmo até depois da conquista, na última quinta-feira, 19, de mais um Campeonato Brasileiro, o sexto em seu currículo. Para pagar essas pendências econômicas, o 'Timão', dessa vez, terá um parceiro e tanto, o Grupo Globo. A entidade aceitou fazer um contrato com o clube até o ano de 2020.

Nele, o grupo de comunicação disse que topa o chamado naming rights do estádio de Itaquera. Com isso, caso o Corinthians venda o Itaquerão paga alguma outra empresa, ou faça a alocação do espaço com patrocinadores, o nome dele ou deles terá que ser tido durante as transmissões das partidas que acontecerão no local. 

De acordo com uma reportagem assinada pelos jornalistas Ricardo Perrone e Dassler Marques, o Grupo Globo vai ajudar o Corinthians em uma pendência financeira.

Publicidade
Publicidade

Com a renovação dos direitos autorais, o clube enfim conseguirá quitar pagamentos corriqueiros, como salários, décimo terceiro salário, direitos de imagens e férias para os seus jogadores.

Mesmo os clubes com maior torcida no país, diferente do que acontece no exterior, vivem passando por crises financeiras, muitas vezes não conseguindo arcar com o básico. Salários atrasados em meses são comum em terras tupiniquins. Mesmo sem caixa, as empresas continuam contratando profissionais com salários altíssimos. 

Só a folha de pagamento mensal do Corinthians é de R$ 8,5 milhões. O contrato entre o clube e a Globo iria apenas até 2018 e para prorrogá-lo por mais dois anos, os empresários exigiram o adiantamento de R$ 30 milhões. Alguns atletas, por exemplo, estavam com dez meses de atrasos em relação ao pagamento de direito de imagens. 

Se com o Corinthians, vencedor da primeira divisão do Brasileirão e um dos maiores clubes do país, a situação está assim, imagina os que disputam outros campeonatos.

Publicidade

As entidades esportivas parece que seguem o mesmo ritmo das demais empresas brasileiras, que se veem em queda, assim como o PIB do país, que ficará no vermelho em 3% nesse ano.  #Desemprego