Hoje em dia é muito comum vermos mulheres em altos cargos de diretoria - cerca de 250 milhões de mulheres ingressaram mundialmente no mercado de trabalho na última década - mas o avanço para por aí. A desigualdade salarial entre gêneros ainda é forte, e está um pouco longe de acabar. Atualmente, os salários que as mulheres recebem equivale ao que os homens recebiam no ano de 20006. Este dados estão contidos no Relatório de Desigualdade Global de Gênero 2015, divulgado pelo Fórum Econômico Mundial.

Segundo a pesquisa - que é feita anualmente desde 2006 -  a desigualdade só diminuiu em 3% nesse período, o que gerou uma outra estimativa negativa: nesse ritmo, a igualdade de salário entre homens e mulheres só seria possível daqui a 118 anos.

Publicidade
Publicidade

Em um ranking que mede a igualdade entre gênero, levando em conta o acesso à educação e saúde, poder político e participação econômica, entre 145 países o Brasil está no 85º lugar.

Os dados do estudo colocam o Brasil entre os mais desiguais do mundo. No subquesito "participação econômica e oportunidades", o Brasil aparece em 89º lugar. Em outro categoria o caso é ainda mais alarmante: quando se trata de igualdade salarial, o Brasil está em 133º lugar. 

Trabalhando 'de graça'

É o que está acontecendo com as mulheres brasileiras, segundo um estudo realizado pela especialista em economia de gêneros Regina Madallozo. O cálculo foi feito com base em estatísticas do IBGE, à pedido da BBC Brasil. Considerando uma carga horária de 40 horas semanais, no Brasil, as mulheres já estão trabalhando "de graça" desde o dia 19 de outubro.

Publicidade

Isso ocorre pela diferença de 20,32% na remuneração feminina em relação à masculina, o que faz com que apenas 291 dias de trabalho sejam pagos a elas, contra os 365 dos homens.

A metodologia usada neste cálculo é a mesma empregada no Reino Unido no "Equal Pay Day", um dia em que a luta pela igualdade salarial entre gêneros é posta em debate. Na Grã-Bretanha a desigualdade gira em torno dos 14,2%, situação um pouco melhor que a do Brasil. #Negócios #Curiosidades