Apesar de toda a crise econômica e política que a sociedade mundial vem atravessando, algumas empresas investem e crescem neste contexto adverso, e é exatamente isto que vem fazendo a seguradora japonesa Mitsui Sumitomo focar nas chances de novas aquisições em território brasileiro, conforme o plano de expansionismo do grupo em nível global, com o objetivo de ser uma das 10 maiores seguradoras no Brasil.

Os planos foram confirmados no dia 21 de outubro de 2015 por Yasuyoshi Karasawa, presidente mundial do grupo. “Nós nos encontramos dispostos a pesquisar eventuais candidatos que estão no Brasil, pois o país é muitíssimo crucial no processo de expansão dos nossos #Negócios no exterior”, diz Karasawa.

Publicidade
Publicidade

Com esse objetivo, o Mitsui Sumitomo, que é a companhia principal da MS&AD Insurance Group Holdings, adquiriu quase 170 milhões de dólares em ativos no exterior no 1º semestre de 2015, e vale frisar que haverá uma outra rodada de negociações e aquisições de volume semelhante prevista para março de 2016.

A Amlin, que é a 2ª seguradora em tamanho no mercado Lloyd's de Londres, foi comprada pelos japoneses por 3.5 bilhões de libras. Apesar de já estar por 50 anos no Brasil, a seguradora japonesa tem penetração tímida nos nichos automotivo e de catástrofes da natureza e nem chega a constar entre as 20 maiores em emissão de apólices.

Por outro lado, com o investimento de R$ 350.000.000 no capital brasileiro a partir de outubro de 2014, a seguradora revelou claramente que deseja mudar este cenário.

Publicidade

Tanto é que, com 303 colaboradores espalhados em 12 cidades brasileiras, o Mitsui Sumitomo elevou em 23% o volume de prêmios emitidos no 1º semestre de 2015, se comparado ao mesmo período em 2014.

O governo japonês pretende dar oxigênio à economia doméstica do seu país e, assim, investe nos mercados internacionais com medidas de expansão monetárias agressivas, que permitem uma margem mais larga para investimentos em ativos percebidos como de risco maior.

"Intencionamos ser um dos 10 maiores no Brasil e desse modo, estamos estudando formar parcerias com as companhias que sejam semelhantes a nós”, diz Karasawa, sem colocar prazos pré-determinados. O CEO japonês acredita que apesar de toda a instabilidade econômica e política do Brasil, o país será a 5ª maior potência na economia do mundo até 2050. #Trabalho #Blasting News Brasil