Todos sabem que o ano de 2015 não foi fácil. O país está em crise e a população teve que economizar muito ao longo dos meses. Faltam 51 dias para acabar o ano, com isso, a esperança de que o próximo ano seja melhor se renova. Porém, é preciso analisar fortemente como lidar com todos os eventos de final de ano.

São muitas festas de empresa, casamentos, amigo secreto, lembrancinhas que, se não forem bem orçamentadas, podem levar toda a sua renda, e até mais um pouco.

Alguns aguardam ansiosamente o 13º salário, no entanto, este benefício deveria ser usado para poupar ou até pagar as contas de início de ano, como renovação de matrículas escolares, IPTU e IPVA.

Publicidade
Publicidade

Algumas destas contas, inclusive, se forem pagas à vista, resultam em bons descontos.

Contudo, não se deve esquecer de possíveis contas que ainda estão pendentes do mês corrente. Desta forma, questione-se sempre quando for efetuar uma compra: Será que preciso disso ou apenas quero isso?

Parece uma pergunta boba, mas, na realidade, ela fará toda a diferença na hora de colocar a mão no bolso e gastar. Se você pensar - preciso disso? - e conseguir pagar a vista e ainda conseguir um desconto, você verá que, na maioria das vezes, coisas desnecessárias são compradas e, sim, coisas, de fato, necessárias, podem ser compradas se uma boa economia for realizada.

Faça sempre um planejamento financeiro, pode ser uma planilha simples, por exemplo. Coloque todos os seus rendimentos e todos os seus gastos, compare os valores e veja se não está gastando mais do que recebendo, isso fará com você identifique possíveis erros cometidos e os corrija o mais rápido possível para, quem sabe em 2017, usar seu 13º para fazer investimentos ou, até mesmo, fazer aquela viagem que você sempre quis.

Publicidade

Planeje com calma, e, se você identificar oportunidades de melhoria, não exite em pedir ajuda a familiares e também para especialistas no assunto, que podem dar ótimas #Dicas de como poupar.

Quando você colocar isso em prática, comente como foi a experiência.

Boas economias! #Finança #Crise econômica