A presidente  #Dilma Rousseff sancionou ontem (05) a nova lei para a aposentadoria que já começa a valer para aqueles que pretendem dar entrada no pedido. O novo método exclui o fator previdenciário que para muitos é o "bicho papão" da aposentadoria, pois depois de trabalhar uma vida inteira contribuindo para a previdência, o trabalhador ainda tem cortes em seu benefício devido a esse fator, que exige que o contribuinte adie sua aposentadoria para assim poder receber seu dinheiro integral, podendo inclusive receber acima do teto se ele trabalhar ainda mais.

A medida provisória que já estava valendo desde maio/2015, agora virou lei, já tendo sido sancionada pela presidente e publicada no Diário Oficial da União no último dia 5.

Publicidade
Publicidade

Entenda como ficou o cálculo para se aposentar

Agora quem pretende se aposentar terá que fazer um novo cálculo, com a mudança das regras de aposentadoria.

Para mulheres: elas terão que somar a idade mais o tempo de contribuição na previdência, o resultado terá que ser 85, isso não quer dizer que a mulher terá que ter 85 anos, mas sim 55 anos de idade mais 30 de contribuição no mínimo. Ou ela ainda pode ter uma idade menor, desde que seu tempo de contribuição seja maior. Como por exemplo uma mulher que tenha 50 anos de idade mais 35 anos de contribuição, isso é permitido. O que fica restrito é a aposentadoria com menos de 30 anos de contribuição.

para os homens, o tempo mínimo de contribuição passa a ser de 35 anos, somados a uma idade de 60 anos, dando um total de 95. No caso de um homem que tenha 40 anos de contribuição ele precisa ter 55 anos de idade, perfazendo o total de 95, o que fica restrito é o tempo de contribuição que não pode ser menor que 35 anos.

Publicidade

Não será sempre assim, com o passar do tempo a pontuação que dá direito ao benefício irá aumentar, veja:

A partir do ano de 2019, a pontuação total terá 1 ponto a mais para as mulheres e para os homens, então a soma será 86/91, e chegará a cinco pontos a mais em 2027, ficando a soma da idade mais contribuição de 90 para as mulheres e 100 para os homens. #Finança #Reforma política