A previsão para os bancos em 2016 não é nada satisfatória e poderão encolher chegando o seu capital a 20%. A somatória dos fatores econômicos que o país vivencia é que levará a essa possibilidade e são eles: o alto índice de desemprego, a alta dos juros.

Esses aspectos negativos favorecerão a inadimplência nos bancos e o crédito será mais escasso. Os maiores bancos do país sofrerão encolhimento. 

CRÉDITO DE UM DÍGITO, ENTENDA

Em 2016, o crédito avançará em apenas um dígito, com os problemas econômicos que as pessoas enfrentam, ninguém se arriscará a contrair empréstimos, principalmente pela insegurança com relação ao emprego e a política econômica.

Publicidade
Publicidade

As previsões são de que ocorra uma diminuição do crédito, menos o de imóvel e consignado, que é descontado na folha de pagamento.

O financiamento de automóveis no próximo ano estará em queda, de acordo com o Goldman Sochs. A FEBRABAN (Federação Brasileira de Bancos) realizou a projeção de 7,8%, na alta do crédito para 2016.

De acordo com o presidente do Bradesco Luiz Carlos Trabuco Cappi, a inadimplência das pessoas aumentará e o PIB tem uma expectativa de baixa para o próximo ano.

Os dados do banco Central informaram que o crédito em novembro aumentou para 7,4% ao ano e somou três milhões, cento e setenta e sete mil reais.

MENOR ÍNDICE DE ALTA NO CRÉDITO EM MAIS DE 10 ANOS

A perspectiva é de que em 2015 haja uma alta de 7%, com uma projeção inicial de 9%. Com esse prognóstico nada favorável, a probabilidade é de que seja o menor índice de aumento em mais de dez anos.

Publicidade

Em 2014 houve um aumento de 11,3%, a inadimplência do consumidor foi de 3,3%, com contra-indicador de 3,2% em outubro e 2,8%, na mesma época.

A DIMINUIÇÃO DO CRÉDITO EM 2015

Em 2015, ocorreu a desaceleração do crédito devido aos fatores negativos da economia do país. De acordo com Murilo Portugal (presidente da FEBRABAN), as instituições financeiras tiveram uma maior cautela para aprovar o crédito para os clientes e dificultou a liberação. Em 2016, os bancos manterão os mesmos critérios na hora de liberar o crédito para os clientes.

Os critérios para a compra da casa própria continuarão restritos: #Juros altos, entrada a maior e a exigência dos bancos com relação à quitação das parcelas atrasadas.

EM 2016

O prognóstico é que em 2016 aumente a inadimplência (final do ano) e início de 2017, e poderá ocorrer com os pequenos e médios empresários e os clientes terão maior dificuldade para honrar com os compromissos.

OS LUCROS

Os bancos poderão ter um lucro em torno de 18%, informações do Bank of América Lynch (Bofa), e haverá queda de 5%, o lucro será no total de R$ 73 bilhões, de acordo com Goldman Socho.

Publicidade

Eles obterão menos lucro e alta de apenas um dígito, que será em torno de 10% em 2016.

O LADO POSITIVO

Os bancos terão lucro através dos serviços tarifados e seguros, o que poderá amenizar os fatores negativos do crédito. O Banco Central informou que poderá ocorrer elevação na taxa básica de juros e a dificuldade que os bancos colocarão para os clientes, na hora de adquirir crédito, amenizará o calote e a inadimplência. #Crise econômica #Crise no Brasil