O Paraguai é o único país do #Mercosul com o qual o Brasil não possui relações de comércio no setor de automóveis, mas estão negociando para fechar um acordo bilateral até 2016.

Para o ministro do Desenvolvimento, Armando Monteiro, será um movimento sistemático de flexibilidade no comércio e facilitará o setor de automóveis e peças com o país.

De acordo com Monteiro, o Paraguai tem o seu abastecimento com carros usados, e com o seu desenvolvimento econômico se transformará em um consumidor potencial dos automóveis fabricados no Brasil.

Os paraguaios querem produzir autopeças para abastecer o Brasil, mas esse projeto e perspectiva ocorrerão gradualmente.

Publicidade
Publicidade

Segundo o ministro, será uma política de integração e estratégia. Para ele, é preciso que os países da América Latina parem de importar carros da Ásia, principalmente da China, e passem a comprar do Brasil.

Esse processo de compra e venda entre o Brasil e os países vizinhos favoreceriam as relações comerciais entre eles e as empresas brasileiras.

O objetivo seria colocar operações de produção dentro dos países e com isso obteria custos baixos. No Paraguai tem os custos e a energia com um valor baixo, e o Brasil poderia aproveitar esses benefícios e realizar parte da produção no país. Com isso as empresas brasileiras que fornecem os produtos finais se tornariam mais competitivas e se promoveria a mudança nas importações, assim relatou o ministro.

Monteiro informou que o acordo entre os dois países será de grau flexível e gradual, observando-se os aspectos do mercado no Paraguai.

Publicidade

A previsão sobre a negociação será em março de 2016, não será um livre comércio, pois a área automobilística não funciona com essa regra do Mercosul. Serão feitos acordos definidos entre os países com agregação de valores no setor de produção.

O ministro Monteiro informou que haverá renovação de contrato com a Argentina no setor de automóveis e o acordo que possuem se encerrará em junho de 2016. Serão feitos ajustes no acordo e possivelmente haverá ampliação nas regras de troca. Atualmente os argentinos são os que mais importam carros do Brasil. #Negócios