As vendas no final de ano e #Natal não foram boas para os comerciantes da rua 25 de março em São Paulo, famosa e que atrai compradores de todo o Brasil.

O movimento foi fraco na véspera natalina (24/12) e quem foi às compras se sentiu tranquilo e pôde andar sem dificuldades ou correrias, e sem se esbarrar nas pessoas.

Devido ao fraco movimento, muitas lojas fecharam as portas mais cedo, em torno das 15h, os lojistas se sentiram frustrados, pois esperavam um movimento maior e, de acordo com Wesley Calado (33), gerente de loja, a queda nas vendas foi de 10% em comparação a 2014.

A loja 'Armarinhos Fernando' fechou às 17h, mas, de acordo com a gerente Ondamar Ferreira, o mês de dezembro de 2015 foi melhor que o de 2014.

Publicidade
Publicidade

De acordo com informações da gerente, houve um aumento de 4% em suas vendas, no comparativo a mesma época do ano passado.

O item mais vendido foi os brinquedos e Ferreira disse que o consumidor está gastando menos e nas compras natalinas não levaram muitas sacolas. A maioria comprou lembrancinhas, este ano economizaram. Dona Débora, uma consumidora, falou que gastou R$ 200 reais e que comprou apenas um presente.

A situação econômica do Brasil refletiu no bolso do consumidor, que se vê as voltas com uma alta inflação e juros caros, principalmente do cartão de crédito e cheque especial. Na hora de comprar, o consumidor pensa duas vezes.

RELATO DAS PESSOAS

Aílton Monteiro (51) comprou somente três presentes, para ele o natal perdeu a graça e não tem o clima de antes. Ele relata que antes tudo era diferente: a empolgação, os enfeites e até a fé e disse que o natal acabou, pois as pessoas não se lembram do verdadeiro sentido que é o nascimento de Jesus e estava com medo de assaltos.

Publicidade

José Mendes (58), que estava na 25 de março, fez uma crítica e falou que apesar do movimento fraco, as ruas continuam sujas.

Gabrielle (27) comprou acessórios para a cozinha e presentes para os filhos e disse que foi somente alguns brinquedos, nada de roupas, pois estão mais caras.

Marluce Silva (63) disse ter comprado apenas lembrancinhas.

A CRISE E AS VENDAS

Com a inflação alta, os consumidores de São Paulo resolveram comprar roupas, que não é o comércio forte da 25 de março. Esse pode ter sido um dos fatores que fez com que o movimento diminuísse no comércio da rua, as pessoas preferiram economizar, a crise apertou e resultou no sumiço dos clientes. #Crise econômica #Crise no Brasil