Após as inúmeras variações ao longo do dia, o dólar fechou, nesta última segunda feira de 2015, com uma desvalorização de 2,1%, em relação à sua última cotação. A moeda chegou ao final do dia com um valor para venda de R$ 3,86, contra os R$ 3,96 da semana passada. A abertura do mercado se deu às 9h19, com o valor inicial de R$ 3,96. O valor da cotação da moeda foi caindo paulatinamente ao longo do dia, até atingir o valor definitivo em torno de R$ 3,86. O apurado até dezembro mostra uma queda de 0,68%. Entretanto, a análise para o ano de 2015, mostrou uma valorização de 45,18%,

Um dia marcado por baixos volumes de negócios

As movimentações desta segunda feira  no mercado de câmbio foram marcadas por um baixo volume de negócios.

Publicidade
Publicidade

Além disto, observou-se uma baixa liquidez dos papéis negociados. Muitos operadores não compareceram ao pregão da Bolsa, em virtude dos feriados que estão acontecendo entre o Natal e as festas de ano novo.

O panorama da política brasileira e o as contas do governo influenciam negativamente o mercado financeiro

O dia foi marcado pelo sentimento de apreensão e cautela por parte dos investidores. O encontro da presidente Dilma com a equipe econômica, após a posse de Nelson Barbosa no Ministério da Fazenda, contribuiu para causar desconfiança no mercado, que já se encontra sobressaltado com a saída de Joaquim Levy, na semana passada. O episódio foi suficiente para provocar a alta da moeda.

Além da crise política, o mercado foi surpreendido pela notícia do prejuízo nas contas do governo, que vai fechar o ano com um déficit de R$ 21,27 bilhões no mês de novembro, sendo considerado o pior resultado desde 1997. 

Estes fatos contribuíram para o sentimento de cautela que tomou conta dos investidores, o que levou a uma pouca volatilidade de negócios, principalmente, no período da tarde.

Publicidade

O mercado foi também influenciado pela situação das bolsas internacionais, que operam sobre o reflexo de uma nova queda dos preços do barril de petróleo e da desvalorização da economia chinesa. Novamente, o Banco Central foi obrigado a lançar mão da rolagem de seus swaps cambiais, com vencimento para janeiro dos contratos negociados de futuras vendas da moeda americana. #Finança