Como saber renegociar uma dívida é uma questão que atormenta a vida de muitos brasileiros endividados (já quase 60 milhões em todo o Brasil, segundo a ANBC). Por conta disso, o economista Adriano Fonseca reuniu uma série de #Dicas para tentar “clarear” os primeiros passos de quem está inadimplente no país e deseja negociar novamente com o credor.

Gerenciamento de gastos

“Em primeiro lugar, é preciso sentar um pouco e calcular qual a sua renda fixa. Resumindo: quanto você ganha no mês. Se estiver desempregado, mas realiza algum serviço freela, calcule quanto, em média, ganha com este trabalho. Após ter o resultado em mãos, o segundo passo é saber quanto deste valor está comprometido com gastos necessários, como água e energia, por exemplo.

Publicidade
Publicidade

A sobra é o dinheiro que você tem livre para negociar”, explica Adriano.

Negociação direta

“Após saber o quanto você pode gastar para quitar sua dívida, o próximo passo é negociar diretamente com o credor (não contrate intermediários, é mais custo) o quanto pode ser parcelado deste valor. Por exemplo, se de sua renda, após quitar todos os custos necessários, sobrar R$ 300 reais, tente negociar uma nova tarifa mensal de, no máximo, R$ 100. Os R$ 200 que vão sobrar você coloca no banco e deixar rendendo. Aos poucos, este rendimento também poderá lhe ajudar com a dívida”, garante.

Cumprimento dos novos prazos

“Este talvez seja o ponto mais importante e crucial para sua renegociação. Cumpra com os novos prazos. Isso é importantíssimo. Não faça novas dívidas e mantenha o controle sob os gastos.

Publicidade

Mantenha o foco em seu objetivo de quitar sua inadimplência. Há empresas que costumam premiar àqueles que estão empenhados em acabar de vez com a dívida. Quem sabe você não ganha um ‘brinde’ e tem uma parte da dívida retirada? Você só vai conseguir se pagar em dia. Se esforce!”, recomenda o economista. #Negócios #Finança