Segundo o site de notícias do Japão para a comunidade brasileira no Brasil ."Ipc Digital", o país pretende fazer #Negócios com a Odebrecht para investir em projetos de ferrovias urbanas. A iniciativa será possível por meio de um fundo de investimento público-privado.

Com a criação da parceria entre a companhia Mistsui e a Odebrecht, será possível a execução e ampliação de diversos projetos no Brasil, como a construção de uma ferrovia no estado do Rio de Janeiro, já em execução, e outra obra definida como linha de metrô na cidade de São Paulo, com início previsto para operações para o ano de 2021.

Além da Mitsui, estão com interesse em participar do investimento na malha ferroviária do Brasil as companhias japonesas  JOIN (Japan Overseas Infrastructure Investment Corp.) e a JR Nishi (West Japan Railway), que já participam do fundo público-privado de investimentos do Japão, a fim de financiamentos para execução de projetos de infraestrutura pelo mundo.

Publicidade
Publicidade

Com a previsão de início em breve dos trabalhos, o Ministério dos Transportes Japonês deve enviar nos próximos meses uma equipe de técnicos especializados, entre engenheiros e profissionais com experiência em construção de ferrovias urbanas, ao Brasil.Segundo o Ministério dos Transportes do Japão e p gestor da JOIN, o Brasil deve receber em torno de  ¥5 bilhões em investimentos por parte do grupo formado na parceria.

Investimento em transporte de massa

A brasileira Odebrecht é gestora da Supervia, no Rio de Janeiro, e já possui participações na Move São Paulo, com construção em andamento na Linha 6 do Metrô, com previsão de inauguração em 2021, além dos futuros VLTs do Rio de Janeiro e da capital do Estado de Goiás, Goiânia. Os empreendimentos devem ter disponíveis recursos com a injeção financeira em torno de R$ 17 bilhões de investimentos até a próxima década, com previsão de gerar diretamente mais de 14 mil postos de #Trabalho durante a execução dessas obras no país.

Publicidade

Lembrando que a parceria da Mitsui já aportou R$ 500 milhões na aquisição de 40% no acordo com a Oderbrecht, representando a entrada de capital externo por parte do Japão nos setores de desenvolvimento, implantação e operação de projetos essenciais para as grandes cidade brasileiras