Uma investigação está movimentando o mercado de trabalho no Rio de Janeiro e também em São Paulo. Isso porque, o Ministério Público do Trabalho está investigando irregularidades nas demissões de aproximadamente 400 profissionais. Os trabalhadores foram dispensados do RecNov, complexo de estúdios da TV Record, localizado na capital carioca.

A demissão em massa aconteceu na semana passada e já tinha reverberado no sindicato dos radialistas profissionais do Rio de Janeiro, que repudiou a empresa de comunicação de Edir Macedo. 

Em entrevista ao jornalista Daniel Castro, a procuradora Carina Bicalho disse que a Record é acusada de desvirtuar o movimento de terceirização de mão de obra.

Publicidade
Publicidade

Por isso, segundo a procuradora, ela pode ser denunciada por fraude empresarial. Bicalho agora vai pedir uma liminar, na qual o processo de terceirização sofrerá um pedido de paralisação. A empresa que fez parceria com a Record nesse processo de terceirização é a Casablanca. 

Por conta das demissões e da passagem de mãos do RecNov, os estúdios passaram na semana passada por um processo de inventário. O aluguel do espaço deve durar pelo menos cinco anos. Na nova fase, os funcionários serão recontratados, mas agora como pessoa jurídica, ou então apenas em regimes de contrato de curto prazo.

O novo sistema não dará direito aos trabalhadores de terem décimo terceiro, férias e FGTS, por exemplo. Além disso, os salários, segundo diz a mídia especializada, ficarão menores em até 60%. 

A procuradora agora irá solicitar cópias dos contratos entre as duas empresas.

Publicidade

Segundo Bicalho, a iniciativa da Record é uma afronta a #Legislação, já que ela não poderia terceirizar sua atividade fim. A profissional da justiça promete que irá apurar o caso. Além do processo de terceirização no Rio, o Ministério Público do Trabalho também investigará o mesmo movimento em São Paulo.

Essas ações não são as únicas do MPT contra a emissora. Uma ação mais antiga já investigava o fato da Record contratar pessoas qualificadas como pessoas jurídicas. Nesse caso, o MPT já obteve vitória em primeira instância.  #Investigação Criminal #Rede Record