De acordo com a Alshop (Associação Brasileira dos Lojistas de Shoppings) houve redução nas vendas de Natal de 2015, percentual de 1% no comparativo com 2014.

Este foi o pior índice registrado nos últimos dez anos, de acordo com pesquisa feita em 150 empresas varejistas, que fazem parte da associação em todo o Brasil e a queda foram em torno de 2,82%.

FATORES QUE CONTRIBUÍRAM PARA O FRACO COMÉRCIO NOS SHOPPINGS

1-A inflação alta no país.

2-A falta de crédito e #Juros exorbitantes.

3- A insegurança das pessoas que não querem se endividar.

4- A dificuldade que o consumidor enfrenta com o parcelamento do cartão de crédito, pois nem sempre consegue pagar em dia,

5- O aumento do dólar que elevou vários produtos do comércio varejista.

Publicidade
Publicidade

6- O desemprego e a alta carga tributária que pesa no bolso do consumidor.

A política econômica deixou as pessoas com um pé atrás, pois não sabem o que esperar de 2016 e na dúvida preferem economizar.

O consumidor neste Natal preferiu comprar presentinhos e mais baratos, a previsão dos comerciantes era que as pessoas gastariam em torno de R$110 reais em compras, mas o gasto foi menor com índice de 10% a menos.

SETORES QUE OBTIVERAM ÊXITO NAS VENDAS

No total das vendas nos shoppings deste ano, a soma foi em torno de R$130, 5 bilhões, 2,8% menor que no ano anterior.

No comércio seis setores tiveram queda e três se saíram bem com índices positivos: perfumaria e cosméticos (3,7%), joias e relógios (3,2%).

Com as vendas caindo, os donos de lojas farão promoções no mês de janeiro de 2016 e tentarão atrair o consumidor com os descontos.

Publicidade

De acordo com Luís Augusto Ildefonso da Silva (diretor da Alshop), os compradores poderão conseguir descontos em torno de 70% em mercadorias e produtos.

SAIBA SOBRE OS EMPREGOS TEMPORÁRIOS DO FIM DE ANO

O comércio neste final de ano realizou poucas contratações e foi o pior índice registrado nos últimos 15 anos. Foram ofertadas 96 mil vagas temporárias nos shoppings centers do Brasil, em 2014 houve 138 mil novos contratos, a queda foi de 30,4%. #Finança