O IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística) divulgou na manhã desta terça-feira (1°) que o PIB (Produto Interno Bruto) do Brasil no terceiro trimestre recuou 1,7% em relação ao trimestre anterior. O indicador reafirma a recessão econômica no pais. Os setores de agropecuária (-2,4%), indústria (-1,3%) e serviços (-1,0%) registraram retrações no período. No acumulado ao longo do ano, o PIB apresentou recuo de 3,2% em relação ao mesmo período em 2014. 

Na comparação com o mesmo trimestre do ano anterior, o pais registrou contração de 4,5% no PIB, e nos últimos quatro trimestres foram 2,5% de queda em relação aos quatro trimestres imediatamente anteriores. O PIB totalizou R$ 1,481 trilhão entre julho e setembro de 2015, em valores correntes, sendo R$ 1,267 trilhão referentes ao Valor Adicionado a preços básicos e R$ 214,2 bilhões referentes aos Impostos sobre Produtos líquidos de Subsídios.

Publicidade
Publicidade

Somente a atividade de Eletricidade e gás, água, esgoto e limpeza urbana apresentou crescimento na Indústria, de 1,1%, em relação ao trimestre anterior. Em Serviços, os únicos resultados positivos foram Administração, saúde e educação pública (0,8%) e Intermediação financeira e seguros (0,3%). Todos os demais subsetores registraram resultados negativos em relação ao trimestre anterior, sendo a Indústria de Transformação a que apresentou o pior resultado - queda de 3,1%.

A contração de 4,5% em relação ao mesmo trimestre de 2014 é a maior queda desde o início da série histórica iniciada em 1996. O número negativo expressivo se deve em parte à indústria, que sofreu queda de 6,7% puxada principalmente pela indústria de transformação - retração de 11,3% em relação ao mesmo período no ano anterior.

Publicidade

De acordo com o relatório do IBGE, o resultado foi influenciado pelo decréscimo nas produções de máquinas e equipamentos, da indústria automotiva, de produtos eletroeletrônicos e de informática, de produtos de borracha e plástico, de produtos de metal, têxteis e de produtos farmoquímicos e farmacêuticos.

Consumo familiar segue em queda

A Despesa de Consumo das Famílias caiu 1,5% em relação ao trimestre imediatamente anterior. No mesmo período, a despesa de consumo do #Governo subiu 0,3%. Em relação ao mesmo trimestre de 2014, o índice apresenta um acúmulo de 4,5% de contração - é a terceira queda consecutiva no indicador.

De acordo com o IBGE, tal resultado se explica pela deterioração de indicadores como inflação, juros, crédito, emprego e renda ao longo do período. Ao longo de 2015, o índice de recuo no consumo das famílias é de 3%, também com acúmulo de três quedas consecutivas. Em relação aos últimos quatro trimestres, a queda verificada é de 1,8%. #Finança #Crise econômica