O troca-troca de ministros no congresso nacional pode parecer um acontecimento distante da vida do brasileiro comum, o qual sobrevive com um salário minimo e alguns trocados do bolsa-família. Acontece que as decisões políticas têm um peso importante sobre cada real conquistado a custo do suor do trabalho.

O dia 21 de dezembro de 2015 ficou marcado pela posse do novo ministro da fazenda, Nelson Barbosa, o qual assumiu a pasta no lugar de Joaquim Levy. Logo após o discurso do empossado, o dólar disparou e voltou a ultrapassar a marca dos R$ 4,00. Algo, até certo ponto natural, a se valer do acontecimento político que o país vivenciou.

Publicidade
Publicidade

Contudo, a desvalorização do real tupiniquim, frente a moeda do tio Sam, já vem de longa data. Para ser mais exato, desde que essa crise política em que vive o Brasil se instalou e insiste em ficar por aqui. Certamente, o mercado não está seguro de que Barbosa conseguirá alavancar a economia do Brasil e dos brasileiros. Mas você sabe qual é a real influência da alta do dólar no seu dia a dia e o quanto isso afeta o seu bolso?

A seguir, confira três fatos que ajudam a entender a influência da alta do dólar frente a economia doméstica. 

  • Alta da inflaçãoO primeiro sintoma da alta do dólar é a disparada da inflação. Isso acontece porque muitos produtos dependem de matéria prima importada. Mesmo que o consumidor final não leve para a casa nada que seja diretamente importado, o mercado fará isso por ele. Afinal de contas, a farinha do pãozinho pode ser de fabricação nacional, mas o trigo, em sua maioria, é oriundo de outros países e atrelado ao dólar. 
  • Valorização da matéria prima nacional - Além dos produtos importados, os nacionais também ficarão mais caro. Isso porque, na maioria dos casos, o preço do produto está atrelado ao dólar. Dessa forma, é mais vantajoso para o produtor exportar os grãos do que vender no mercado brasileiro. Se isso acontecer, a compensação financeira deve ser à altura. 
  • Lei de mercado - Essa é implacável! Com a elevação do preço dos importados, cresce a procura por fabricações nacionais. É aí que entra a lei do mercado, pois, esse aumento de demanda traz uma ótima oportunidade para que produtores e comerciantes lucrem mais. Além disso, algumas empresas podem fabricar menos pela a elevação do preço da matéria prima, o que faz diminuir ainda mais a oferta. 
  • Viagens internacionais mais caras e crescimento do turismo nacional - No que diz respeito ao brasileiro que vive com o mínimo, esse item não é muito importante. No entanto, você que fez uma pequena reserva para um passeio no final do ano, saiba que as viagens para o exterior aumentam consideravelmente, pois todas são faturadas em dólar. Em contrapartida, é possível que o país receba mais turistas estrangeiros, o que fará com que movimente a economia interna, inclusive, aumenta a quantidade de dólares circulando. 

Apesar do aumento do turismo, os motivos de preocupação são maiores, pois, tudo isso gera uma consequente insegurança na maioria dos setores e, assim que o poder de compra do consumidor diminuir, os comerciantes serão obrigados a baixar os preços. 

Começa assim o conhecido 'efeito dominó' e caso medidas necessárias não sejam tomadas, a crise só irá aumentar. Ou seja, a padaria e o mercadinho da esquina tendem a 'quebrar'.

Publicidade

Por isso que a alta do dólar é tão maléfica para a economia doméstica.  #Negócios #Finança #Crise econômica