O Banco Central divulgou ontem (26/01) informações a respeito das contas externas do país no exterior. Segundo a Instituição, o déficit nas contas do país sofreu uma reduçao em seu volume, fechando o ano em cerca de 3,32% do PIB ( Produto Interno Bruto), o que corresponde a um valor de US$ 58,942 bilhões. Este foi o menor resultado obtido dentro de uma série histórica que vem desde 2010. A #Crise econômica que atingiu a economia brasileira, assim como a alta do dólar, foram fatores que conribuíram para o resultado.

Os resultados foram abaixo do esperado pelo Banco Central

Na avaliação da instituição financeira que controla os bancos brasileiros, o resultado ficou abaixo do que havia sido projetado inicialmente.

Publicidade
Publicidade

Enquanto se previa um valor em torno de US$ 62 bilhões, o resultado abaixo disto surpreendeu, com um valor também abaixo da projeção do PIB, que era de 3,485% do Produto Interno Bruto(PIB). Em termos comparativos, 2014 mostrou uma elevação do rombo, fechando o ano com um valor de US$ 104,181 bilhões, correspondendo a 4,31% do PIB.

Na avaliação de Túlio Maciel, chefe do Departamento do Banco Central, o resultado obtido pelo país no ano de 2015 reflete a situação de crise e recessão que o país atravessou no ano passado. O economista ressaltou que  a redução do déficit chega a ser benéfica para o Brasil, já que contribui para diminuir o rombo nas contas externas. Isto pode significar que uma menor diminuição do dinamismo da economia pode levar a um menor endividamento externo.

De que são compostas as contas externas do Brasil ?

Quando falamos em contas externas que o país movimenta, nos referimos a todas as compras e vendas de mercadorias e serviços, assim como as transferências de valores entre o Brasil e os outros países que possuem relação econômica com o nosso.

Publicidade

A influência do dólar sobre o resultado do déficit brasileiro

A alta do dólar foi outro fator que contribuiu para os resultados menores do déficit. A valorização da moeda americana em 42% levou a uma redução drástica do volume de negócios entre bens e serviços no exterior, já que estes segmentos são taxados em dólar, o que encarece o custo. Deste modo, a oferta tende a cair. Por outro lado, isto favorece o volume das exportações brasileiras, o que leva a um equilíbrio positivo da balança comercial. #Governo #Finança