O negócio entre o Benfica e a NOS vai ser avaliado em 750 milhões de euros, após o clube ceder o mesmo que os outros rivais. Segundo informa o jornal “Correio da Manhã”, as duas partes vão se reunir nos próximos dias para que haja uma renegociação das condições. Disponível para ceder o mesmo que FC Porto e Benfica, o clube encarnado deverá conseguir uma avaliação muito superior aos seus adversários, tal como inicialmente a cláusula do contrato dos 400 milhões de euros previa. Quando se confirmar, o negócio do Benfica com a NOS será novamente o maior da história do campeonato português.

Mergulhados em enorme passivos e com a imprensa internacional sempre falando dos riscos reais dos três maiores clubes portugueses se extinguirem, essas vendas e cedências de direitos televisivos por parte de FC Porto, Sporting e Benfica podem ser a boia de salvação de um fim anunciado.

Publicidade
Publicidade

Ao todo são mais de 1,3 mil milhões de euros que, em um espaço de um mês, foram investidos em apenas três clubes portugueses, algo inimaginável há poucos meses. Porém, a revolução parece não ter fim. Depois de Sporting e FC Porto terem conseguido ultrapassar os 400 milhões, o Benfica vai negociar novamente com a NOS para conseguir chegar a uma marca verdadeiramente astronômica: 750 milhões de euros pelas mesmas condições oferecidas por seus rivais, tal como garantiu jornais portugueses como o “Correio da Manhã” e o esportivo “Record”.

Essa negociação do Benfica com a operadora NOS apenas é possível porque o presidente do Benfica, Luís Filipe Vieira, conseguiu garantir uma cláusula no contrato que tornaria impossível seus outros rivais conseguirem ganhar mais dinheiro que o clube, que tem a maior torcida em Portugal.

Publicidade

Assim, como afirma a imprensa internacional, com os 750 milhões de euros, o Benfica vai garantir seguramente o negócio lucrativo entre os maiores clubes em Portugal, depois do mês de dezembro verdadeiramente louco e que surpreendeu todo o mundo. A confirmação dos valores será feita nos próximos dias. #Negócios #Europa #Futebol Internacional