Uma empresa pode valer mais dinheiro do que um país inteiro? Pelo menos na bolsa de valores pode sim. Nesta segunda-feira, 04, no primeiro dia útil da abertura dos mercados em 2016, todas as empresas somadas na Bovespa, a bolsa de São Paulo, valiam menos do que a americana Google. O valor não é diferente do que aconteceu no ano passado. Segundo informações da consultoria Economática, em dezembro de 2015, a empresa de buscas que vem abocanhando o mercado da comunicação do mundo valia a bagatela de 528 bilhões de dólares.

E quanto valeu a bolsa brasileira? A Bovespa ficou atrás, mas bem na lanterninha. Todas as empresas somadas chegaram a substância de 463 bilhões, uma diferença de mais de 60 bilhões de dólares.

Publicidade
Publicidade

Com a decaída do real frente ao dólar, que nesta segunda fechou acima dos R$ 4, dá para dizer que o valor de mercado do Google já ultrapassa os dois trilhões de reais. É dinheiro demais e que se fosse invetado em nossa economia faria o Brasil se tornar um dos países que mais cresceu no mundo, diferente do que aconteceu em 2015, quando tivemos uma recessão oficial. Em 2016, a expectativa não é diferente. Estima-se que a inflação chegue a 11% e que o PIB, o Produto Interno Bruto, volte a cair pelo menos 3%. 

Em 2015, com a #Crise econômica, a bolsa de São Paulo caiu inacreditáveis 41,9%. O resultado só não foi pior que o da Colômbia, que brigou com o Brasil pelo título que ninguém quer, a de pior economia da América Latina. A bolsa colombiana teve um recuo de 42,5% em 2015. E olha que internacionalmente o ano nem foi de crise, como aconteceu no passado. 

Mesmo com a queda do país vizinho, o Brasil se deu mal também na proporção de sua relevância, perdendo mais de 6% do total das bolsas em apenas um ano.

Publicidade

Em 2014, a soma das empresas de nosso país representava 42,6% do total. Hoje esse valor caiu para 36,2%. A queda foi tão brusca que o México se aproxima a passos largos e pode ultrapassar um país de um tamanho continental. Em 2015, o México teve 34,16% da fatia de toda a América Latina.  #Negócios #Impeachment