Pesquisa feita pelo Serviço de Proteção ao Crédito (SPC) confirmou o que muita gente já sabia. 46% dos brasileiros não conseguem honrar suas contas no final do mês. O estudo aponta ainda que a disciplina, tempo e o esquecimento são os fator principal para que o orçamento dos desorganizados não feche no azul.

Em tempo de #Crise, o brasileiro esta criando a necessidade de fazer uma reavaliação em seus gastos, segundo a economista chefe do SPCBRASIL, Marcela Kawauti. Ela ressalva que “quando o cenário econômico era positivo, o brasileiro não tinha a preocupação com seus gastos, e o consumo desenfreado era normal para maioria da população”.

Publicidade
Publicidade

Porém, com a #Crise econômica que o Brasil esta enfrenta, criará, de certa maneira, consumidores conscientes, que irão organizar melhor o seu orçamento, disse a economista.

Para muitos brasileiros, o descontrole financeiro é uma realidade, com os gastos maiores do que os ganhos, as dívidas se tornam cada vez maiores, e as dificuldades em quitá-las também. Segundo o SPCBRASIL, o número de consumidores que estão com seus nomes sujos na praça vem aumentado assustadoramente em 2016.

No tempo do crédito rápido e fácil, o descontrole orçamentário pessoal é praticamente uma rotina para a maioria dos consumidores. Empréstimos, cartões de crédito e carnês de lojas são de certa maneira os maiores responsáveis pelo descontrole do orçamento dos brasileiros.

Segundo Felipe Chade, planejador financeiro, a ansiedade é o fator que mais atrapalha o consumidor em colocar suas contas em dia.

Publicidade

Não saber o quanto ganha e seus gastos pode gerar confusões, e o desânimo atrapalhar o controle financeiro.

A dica que fica, neste momento conturbado em que vive a economia brasileira, é tentar controlar suas despesas fazendo uma avaliação dos ganhos e dos gastos, tentar quitar dívidas antigas, evitando que os altos juros virem uma bola de neve, impedindo que as contas fiquem impossíveis de serem pagas. Colocar tudo na ponta do lápis é uma ótima maneira de colocar o orçamento no eixo novamente. #Crise no Brasil