O Presidente do Sebrae, Guilherme Afif Domingos, ex-ministro da Secretaria de Micro e Pequenas Empresas, esteve reunido na tarde do dia 27 de Janeiro, com o Presidente do BNDES, Luciano Coutinho, para tratar de uma linha de crédito exclusiva para micro e pequenas empresas.

A proposta é liberar até R$ 30 mil para empresas com faturamento de até R$ 360 mil por ano com aval de fundos garantidores. Entre eles, o Fundo de Aval da Micro e Pequena Empresa (Fampe), que é gerido pelo próprio Sebrae, e o Fundo Garantidor (FG) do BNDES.

Outro fator que pode também garantir juros menores para o micro e pequeno empresário é o fim do registro em cartório de contratos de empréstimo.

Publicidade
Publicidade

Esses valores podem chegar a até R$ 2 mil e ajudam a encarecer o custo financeiro dos empréstimos.

Segundo o presidente, “hoje, 85% das micro e pequenas empresas estão nas três primeiras faixas de faturamento do Simples Nacional. Esse empresário não está vendo a cor do dinheiro e é por ele que estamos nos empenhando”.

Números do Sebrae

O Sebrae informa que no Brasil existem 6,4 milhões de estabelecimentos e que as micro e pequenas empresas representam 52% dos empregos com carteira assinada no setor privado (16,1 milhões). Além disso, respondem juntas por 27% do Produto Interno Bruto (PIB) e 40% da massa salarial do país (Fonte: Panorama das MPEs Paulistas). São consideradas micro, aquelas com até 9 empregados no comércio e serviços e até 19 empregados na indústria, e empresa de pequeno porte aquela que possui de 10 a 49 empregados no comércio e serviços e até 99 empregados no setor industrial.

Publicidade

A proposta apresentada por Afif Domingos busca garantir aos micro e pequenos empresários um crédito barato como suporte a esse momento de crise em que ocorre queda nas vendas em geral. O recursos poderão ser usados para cobrir o fluxo de caixa ou mesmo para a realização de investimentos necessários à otimização ou melhoria dos produtos. A intenção é pelo menos diminuir o fluxo de desemprego nessa faixa.

Entretanto, é necessário identificar a real demanda para esse tipo de recurso, já que apesar de menores, os juros serão cobrados mensalmente. Portanto, deve-se realizar um planejamento adequado com o mercado de cada negócio. #Crise econômica #Crise no Brasil