A maior parte da população brasileira não troca o local de compra mesmo quando passa a pagar mais caro pelos produtos. Esta constatação foi feita por uma pesquisa do SPC Brasil, em parceria com a CNDL (Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas), realizada em dezembro de 2015, mas divulgada nesta segunda-feira, 25 de janeiro, pelo Jornal Folha de São Paulo.

De acordo com o levantamento, apenas 24% dos consumidores entrevistados afirmaram que trocam de estabelecimento (mercadinhos, supermercados, etc.) quando os preços se elevam. Ainda segundo a pesquisa, 51,1% disseram que não pesquisam preço antes de realizarem as compras e somente 20,4% se planejam para realizarem os pagamentos à vista.

Publicidade
Publicidade

Um dado curioso apresentado pela pesquisa aponta que, apesar da crise, o brasileiro está “pechinchando” menos. Segundo o levantamento, apenas quatro entre dez brasileiros costumam tentar obter um “descontinho” na hora de pagar as compras em estabelecimentos alimentícios.

Para Rita de Cássia Oliveira, 38 anos, comerciante, a vida corrida é um dos fatores que a faz pesquisar menos na hora da compra.

“Vontade de pesquisar eu até tenho. Quem não quer pagar mais barato, não é mesmo? Ainda mais com essa crise que está aí. Mas o que eu não tenho é tempo. Minha vida é muito corrida. É trabalho, é casa, é filho, é marido... não dá pra ficar passando em mercado em mercado até achar o preço mais barato. Os preços do mercadinho próximo de minha casa estão altíssimos, mas o que eu posso fazer? É mais cômodo para mim.

Publicidade

Sei que estou pagando mais caro, mas com a vida corrida que tenho, é a minha opção mais ágil”, explica Rita.

A situação da comerciante Rita de Cássia é muito semelhante a de milhares de outros brasileiros. É o caso de Danilo Leme, 27 anos, webdesigner, que já tentou fazer as compras eu um mercado com preços mais em conta, porém, por conta da “correria” do dia a dia, decidiu voltar a comprar em um local mais caro, no entanto, localizado no caminho para o apartamento onde mora.

“Eu percebi que os preços no mercadinho lá do bairro estavam mais caros e comecei a buscar outras opções. Até encontrei um local mais em conta para mim, mas fica um pouco distante de onde moro e estava comprometendo o meu tempo por que muitas vezes quando chego em casa ainda tenho que realizar outros jobs, entende? Aí não teve jeito, tive que optar pelo mercadinho mais caro que fica no caminho do apartamento onde moro. Paciência”, lamenta Danilo.

“Planejamento é o caminho”, orienta especialista

Para o economista Adriano Fonseca, um bom planejamento é a melhor solução para que o brasileiro consiga encontrar tempo para gastar menos em tempos de crise.

Publicidade

“Planejamento é o caminho. Sempre em minhas palestras bato nessa tecla e continuarei batendo. Uma pessoa que se planeja não passa aperto e consegue gastar menos e enfrentar com maior tranquilidade esse tempo de crise. Se existe falta de tempo durante a semana por conta do trabalho, a pessoa precisa, então, usar o final de semana como arma para planejar toda a semana”, explica Adriano.

“Por exemplo, se você sabe que de segunda a sexta não tem como ficar passando de mercadinho em mercadinho, tire um sábado ou domingo para isso. Pesquise e faça as compras da semana, ou até mesmo de todo o mês, em um sábado que esteja disponível. Assim, quando chegar em casa do trabalho nos dias úteis, você não vai precisar se preocupar em fazer compras. Uma pessoa bem planejada gasta menos e lucra mais, pode ter certeza disso”, conclui o economista. #Curiosidades #Finança #Crise econômica