As cotações das ações da Petrobras voltaram a apresentar uma nova desvalorização nesta terça feira, dia 19. O percentual de desvalorização atingiu cerca de 2,9%, apesar de uma discreta subida de 4%, pela manhã. A tendência de queda apresentou um percentual de desvalorização elevado para uma série histórica da empresa, nos últimos 12 anos.

A desvalorização das ações da Petrobras

A terça feira (19) foi marcada pela valorização dos índices da bolsa, que são medidos pelo Ibovespa. A alta ficou em 0,32%, num período de acúmulo de queda de 12,21%. Em termos de pontuação, totalizou 38.057 pontos.

A tendência de valorização foi influenciada pelo alívio nos horizontes da economia chinesa.

Publicidade
Publicidade

O país acenou com a melhora do PIB em 2015, de 6,9%, o que ainda foi considerado baixo pelos economistas internacionais. Além disto, o mercado reagiu estimulado pelas notícias de que a China se comprometeu a adotar uma política econômica que irá impulsionar a  sua economia interna.

A instabilidade da cotação do preço do barril de petróleo no mercado americano e a queda de desempenho podem ter contribuído para se frear esta euforia no mercado internacional. Este fato, claro, resvalou no Brasil, principalmente, após as declarações do presidente do Branco Central, Alexandre Tombini, sobre a posição do FMI em relação ao desempenho da economia brasileira neste ano. O órgão foi claro em afirmar que poderá promover um lento aperto nas finanças brasileiras, aliviando até a subida dos juros internacionais.

Publicidade

As ações da Petrobras que sofreram a maior desvalorização

Os analistas afirmam que a estatal foi a empresa que mais sofreu desvalorização no quadro de empresas que negociam o seu capital aberto na bolsa. O índice de queda foi de 85,5%, o que corresponde a cerca de R$ 436,6 milhões. Este comparativo foi feito a partir de sua maior valorização atingida em 2008. As ações que mostraram as maiores quedas foram as do tipo preferencial, com índice de queda de 2,9%. Neste patamar, os papéis foram negociados a R$ 4,66 (PETR4).

Esta foi a pior cotação desde 2003, quando o preço caiu a R$ 4,61. Na véspera, a cotação foi ascendente em 7,16%. Nas ações do tipo ordinárias, a desvalorização chegou a 2,38%, com preço de R$ 6,15. Em 2003, este valor chegou a R$ 6,13, sendo considerado o dia de hoje também como o mais baixo desde 2003, para este tipo. #Finança #Petrobras #Crise econômica