Na manhã de sexta-feira (15) no Palácio do Planalto, a Presidente #Dilma Rousseff reuniu a imprensa nacional e estrangeira para um café da manhã. É a segunda entrevista que a presidente concede este ano. Ela afirmou que o #Governo Federal está fazendo todos os esforços para impedir que o #Desemprego aumente mais. Segundo a petista essa é a sua maior preocupação no momento.

A taxa de desemprego no terceiro trimestre até outro de 2015 ficou em 9%, segundo informações do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatísticas (IBGE), nesta sexta-feira. É a maior taxa desde 2012. No mesmo período em 2014 a taxa foi de 6,6%.

“Todo esforço do governo é para impedir que, no Brasil, nós tenhamos um nível de desemprego elevado.

Publicidade
Publicidade

Para mim, é a grande preocupação, é o que nós olhamos todos os dias. É aquilo que mais me preocupa e aquilo que requer mais atenção do governo”, destacou a presidente Dilma Rousseff aos jornalistas.

Outros assuntos polêmicos também estiveram presentes na pauta, como a volta da CPMF, a Operação Lava Jato, Impeachment e reforma da Previdência.

Em setembro de 2015 o Executivo enviou ao Congresso Nacional uma Proposta de Emenda da Constituição (PEC), com uma proposta de criação de imposto, nos mesmos moldes do antigo imposto do cheque, que deixou de existir em 2007.

A presidente disse que para reaquecer a economia, o ajuste fiscal é imprescindível, e o aumento de imposto esta atrelado ao ajuste.

Sobre o processo de impeachment que tramita no Congresso, a presidente acusou a oposição de esta tentando dar um golpe.

Publicidade

A oposição embasou o pedido de impeachment nas chamadas pedaladas fiscais, que é quando o governo deixa de pagar aos bancos públicos os benefícios sociais que estes bancos repassam a população. O governo em dezembro de 2015 quitou todas essas pendências.

Sobre a Lava Jato ela afirmou, que ela e qualquer membro do governo responderá as perguntas da impressa a qualquer momento.

Reforma da Previdência, outro assunto impopular, a presidente voltou a defender a reforma, mas garantiu que os direitos adquiridos não sofrerão qualquer alteração.