Os dados publicados hoje, dia 16, pelo IBGE( Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística) mostram que o setor de comércio no Brasil apresentou o pior índice nos últimos 14 anos. Em 2015, a queda nas vendas do comércio varejista mostram uma redução de 4,3 %, sendo considerada a pior desde que foi iniciado o estudo em 2001. Alguns setores foram mais afetados. Entretanto, frente aos piores desempenhos, outros conseguiram manter o seu patamar de vendas e até foram beneficiados com um pequeno ritmo de crescimento.

A queda do mercado varejista brasileiro e quais setores foram mais afetados

O estudo comparativo das vendas do setor varejista brasileiro, ao longo do ano, mostrou dados preocupantes.

Publicidade
Publicidade

Via de regra, o mês de dezembro sempre foi conhecido por apresentar o maior volume de vendas. A pesquisa feita pelo IBGE, neste último ano, mostrou o contrário. Houve uma queda nas vendas, em relação ao mês anterior. O percentual de queda foi de 2,7%. O Instituto comparou os números para o mesmo mês, em relação a 2014. A redução foi ainda mais significativa, ficando em 7,1 % abaixo.  

O estudo do IBGE conseguiu determinar quais foram os setores do ramo varejista foram os  mais afetados com a queda nas vendas. Veja quais são:

  • Móveis e eletrodomésticos ( redução de 14%)
  • Livros, jornais e revistas ( 10,9% a menos)
  • Tecidos, vestuários e calçados ( menos 8,7%)
  • Combustíveis e lubrificantes ( - 6,2%)
  • Materiais de escritório e equipamentos para informática ( 1,7% a menor)
  • Artigos para uso doméstico e pessoal ( redução de 1,3%)

As causas para a queda nas vendas

As razão principal para a queda nas vendas enfrentadas pelo setor do comércio é a grave #Crise econômica que o país está experimentando atualmente.

Publicidade

A incerteza da economia brasileira, que parou de crescer nos últimos anos, tem levado a um aumento das taxas de juros, o que inviabiliza as operações de crédito. Além disto, o trabalhador brasileiro viu a sua renda per capita diminuir, o que levou a reduzir seu poder de compra. Sem poder consumir mais, as vendas despencam.

Apesar da crise, alguns atividades varejistas conseguiram se manter em 2015

Em meio à crise no setor varejista, alguns setores conseguiram manter uma certa estabilidade e experimentaram um crescimento da ordem de 3%. Foram os setores de cosméticos, perfumaria, produtos hospitalares, ortopédicos e farmacêuticos. Entretanto, apesar dos resultados, o IBGE ainda considera um número baixo, dentro do período de estudo desde 2001.

  #Governo #Finança