A atual perspectiva do Brasil com relação à área econômica e política não é boa. No congresso Nacional corre a tramitação do pedido de Impeachment contra a presidente Dilma Rousseff (PT), um processo que  deixa o Brasil vulnerável.

Analisando a situação que o Brasil atravessa, não se pode comparar o país com a Argentina do ano de 2001, divulgou o Financial Times (Jornal Britânico) através da análise de Beñat Bilbao-Osório (diretor na América Latina do EIU- Economist Intelligent Unit).

ENTENDA O QUE ACONTECEU COM A ARGENTINA EM 2001

A Argentina em 2001 trocou de presidentes por três vezes seguidas, em apenas oito dias. O país passava por uma situação drástica e ficou em uma situação ruim na escala de classificação de risco, segundo as agências responsáveis na época.

Publicidade
Publicidade

O país argentino deu um calote de cento e dois bilhões de dólares, considerado o maior que se tem conhecimento. Mas de acordo com Bilbao, a situação entre Brasil e Argentina é diferente, pois o país hermano contraiu empréstimos na moeda americana e se endividou. O Brasil, ao contrário, tem dívidas em real.

O diretor Bilbao disse que o grande obstáculo para o Brasil é a inexistência de um líder na política, para realizar as reformas necessárias no país. Para ele é necessário que o país produza mais e consiga metas fiscais para pagar a dívida pública, através de superávit primário.

O QUE SIGNIFICOU PARA O COMÉRCIO EXTERIOR A TROCA DO MINISTRO DA FAZENDA, NA VISÃO DE BILBAO?

De acordo com a análise de Bilbao, Joaquim Levy (ex-ministro da fazenda), foi o criador das medidas fiscais e políticas econômicas sérias.

Publicidade

Com a sua substituição por Nélson Barbosa, o mercado viu como um "relaxamento" e sem medidas austeras. A reação veio rápida com a elevação da moeda americana e retroação da Bovespa.

Bilbao (diretor da Economist) acredita que o atual ministro da fazenda deve adotar medidas mais austeras, que possam baixar o déficit público do país.

A RECESSÃO BRASILEIRA ATINGE OUTROS PAÍSES?

A #Crise econômica no país atinge os países vizinhos da América Latina, principalmente a Argentina que mantêm relações econômicas com o Brasil.

A ARGENTINA E O BRASIL

As novas medidas adotadas pela Argentina poderão trazer efeitos para o Brasil, a curto e longo prazo. Na visão de Bilbao o país será sempre o líder na América do Sul e caso a Argentina se fortaleça economicamente, não deverá ser visto como ponto negativo, mas como fator positivo para o país, que poderá ter novas chances de comércio e de estímulos.a e se estruturar. #Crise econômica #Crise no Brasil