Decorreu na Cidade do México, entre os dias 22 e 23 de fevereiro, a 3ª Reunião da Comissão Binacional Brasil-México, nove anos depois da 1ª Reunião, que ocorreu em Brasília no ano de 2007. Os encontros foram coordenados por Armando Monteiro, ministro do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior do Brasil, e co-presidido pelo ministro das Relações Exteriores do Brasil, Embaixador Mauro Vieira, em conjunto com Claudia Ruiz Massieu, Secretária de Estado do México.

Os dois dias de trabalho desenvolveram diversas pautas que versam sobre o relacionamento político, econômico, cultural e, sobretudo, de cooperação e comércio, dos quais se destaca a visita à Agência para a Proscrição de Armas Nucleares na América Latina e Caribe (OPANAL).

Publicidade
Publicidade

Diversas empresas brasileiras ligadas à petroquímica e siderurgia investem maciçamente no país, em especial por meio de parcerias com o setor privado. O evento é um marco para a economia regional, visto que reúne as duas maiores economias da América Latina.

Antecedentes

Em agosto de 2002, Brasil e México assinaram o Acordo de Complementação Econômica 53 (ACE-53), que passou a regular o comércio entre os dois países em maio de 2003 e confere isenção tarifária para, aproximadamente, 800 produtos. O ACE-53 teve seu escopo de atuação ampliado em maio de 2015, época em que a presidente do Brasil fez uma visita oficial ao seu homólogo mexicano, Enrique Peña Nieto. Nessa ocasião, os dois países assinaram o Acordo de Cooperação e Facilitação de Investimentos (ACFI), que objetiva, como o próprio nome sugere, a desburocratização dos acordos bilaterais por meio de maior intercâmbio entre os dois países.

Publicidade

Entre 2004 e 2014, o fluxo comercial cresceu 93,7%, conforme consta no portal do Itamaraty. No ano de 2015, o Brasil exportou em torno de US$3,5 bilhões e importou US$4,4 bilhões. Nesse sentido, os dois países figuram estreita relação: em 2015, o Brasil se tornou o sétimo parceiro comercial do México, que ocupa o oitavo lugar no ranking dos parceiros internacionais do Brasil.  #Crise econômica