A Via Varejo grupo empresarial responsável em gerenciar duas das maiores redes do mercado de eletrodomésticos do Brasil, as Casas Bahia e o Ponto Frio entre outras marcas como Assaí Atacadista, Bartira, Pão de Açúcar e Extra divulgou que teve um grande prejuízo em sua arrecadação no ano de 2015. A perda de lucros no ano passado foi de 99,7% em comparação com a arrecadação de lucros de 2014 no qual a empresa arrecadou R$ 964 milhões.

O prejuízo avaliado no quarto trimestre do ano passado foi de R$ 177 milhões, o valor arrecadado em lucro líquido em 2015 foi de apenas R$ 3 milhões. A baixa lucratividade resultou no fechamento de 23 unidades das Casas Bahia e do Ponto Frio situadas em diversas partes do Brasil.

Publicidade
Publicidade

O fechamento de 23 unidades das Casas Bahia e do Ponto Frio resultou na demissão de 11 mil empregados

O fechamento das unidades deixaram 11 mil colaboradores sem posto de trabalho. Para evitar que a forte queda de vendas continuasse, a Via Varejo adotou a estratégia de converter lojas do Ponto Frio em Lojas da Casa Bahia, que segundo analistas da empresa tem um desempenho de vendas maior.

Em sua totalidade, 75 lojas do Ponto Frio foram convertidas em Casas Bahia em todo o Brasil. Em dezembro de 2015 a quantidade de lojas do Ponto Frio registradas foi de 254 unidades, antes das conversões e os fechamentos, esse número era de 374.

Vendas de comércio eletrônico também foram muito abaixo do esperado   

O resultado das vendas por meio de comércio eletrônico foram extremamente negativas.  Prejuízo em torno de R$ 123 milhões valor aumentado por conta da equivalência patrimonial ocasionada por sua reestruturação após o fechamento das 23 unidades.

Publicidade

A empresa responsável pelo comércio eletrônico a Cnova alegou que os prejuízos foram aumentados em consequência de uma investigação interna sobre más práticas na gestão de estoques, o que agravou ainda mais o mau desempenho nas vendas de comércio eletrônico.

                                                                                   #Desemprego #Crise econômica #Crise no Brasil