Foi anunciado nessa quarta-feira (24) algumas mudanças no preenchimento do imposto de renda para 2016.

Uma das mudanças mais relevantes é que esse ano o contribuinte precisará informar apenas o CPF do parceiro ou cônjuge, e não mais será preciso informar os rendimentos. Outra mudança também anunciada é de que a Receita irá aproveitar mais informações da última declaração do contribuinte. Antes, o sistema puxava apenas o CNPJ da fonte pagadora. Com a mudança, no momento da declaração, além do CNPJ, também estarão informações referentes a participação de lucros e resultados, aplicações e poupança. O campo para preenchimento do valor continua em branco.

Publicidade
Publicidade

Além das mudanças no preenchimento, o programa para 2016 vem com uma alteração: antes a verificação de pendências e envio da declaração eram feitos de forma separada. Agora, terá um botão para essas duas funções. Se por acaso tiver alguma pendência, a declaração não será transmitida para a base da Receita Federal. Se por acaso o contribuinte deseja verificar apenas pendências, terá um botão exclusivo para essa função.

Todas essas mudanças são visando a facilidade no preenchimento, para que possa evitar tantos erros na entrega da declaração.

Lembre-se: o prazo para entrega da declaração é de 1° de março a 29 de abril.

Cuidados ao baixar o programa

O programa já está disponível para download no site oficial da Receita. Muita atenção ao baixar o programa e verifique sempre a URL do site ao qual está fazendo o download.

Publicidade

Todas essas precauções são necessárias, pois pessoas má intencionadas criam páginas na internet semelhantes ao da Receita, para que possa enganar os usuários e ele na verdade instalar um programa em sua máquina para roubar informações.

Esse tipo de vírus é capaz de transmitir em tempo real informações sigilosas, tais como senhas de banco, dados de cartão de crédito, logins e senhas de acesso as redes sociais e e-mails, fotos e arquivos armazenados em seu computador.

De posse desses dados, estelionatários as utilizam para compras pela internet, clonagem de cartões e ameaças de sequestro relâmpago. #Finança #Imposto de Renda