Minas Gerais terá um corte de R$ 2 Bilhões, segundo anunciou nesta segunda (22), o governador Fernando Pimentel, do PT de Minas Gerais.

A medida tomada é para frear os gastos públicos mineiros que terão um déficit de R$ 8,9 Bi este ano, e com os cortes o #Governo de Minas tentará equilibrar as contas.

Vários setores serão atingidos pelo corte, somente a áreas de saúde, educação e segurança não terão o seu orçamento afetado, segundo o Secretário de Estado de Planejamento e Gestão, Helvécio Magalhães.

O plano é enxugar a máquina administrativa com a extinção de órgãos e cargos comissionados, tendo inicio hoje, onde vários cortes de serviços já serão executados.

Publicidade
Publicidade

O orçamento 2016 para o Estado de Minas Gerais foi aprovado pelo Legislativo, e está com déficit de quase R$ 9 milhões.

O governador Fernando Pimentel, do PT, terá que se desdobrar para equilibrar as contas de Minas, e para que isso aconteça, mudanças deverão ocorrer.

A prefeitura de Belo Horizonte também anunciou que haverá cortes, e já começou com a extinção de 602 cargos comissionados, que irá economizar R$ 45 milhões dos cofres da prefeitura de BH. O prefeito Mario Lacerda do (PSB) estipulou uma meta de economia em cerca de R$ 100 milhões até o final do ano.

Cortes federais

O governo federal anunciou um corte de quase R$ 24 Bi para este ano de 2016. Mesmo assim os cofres federais terão um prejuízo de R$ 60 Bi. Os maiores cortes acontecerão no Programa de Aceleração do Crescimento (PAC) com R$ 4,2 Bi, Minas e Energia, R$ 3 Bi, saúde, R$ 2,5 Bi  e educação, R$ 1,3 Bi.

Publicidade

Os cortes anunciados para este ano pelo Governo Federal são os menores em cinco anos, já que ano passado o Governo anunciou um corte de R$ 69,9 Bi, contra os R$ 24 Bi este ano.

Mesmo com todos estes cortes, a máquina governista está prostrada e quase parando, onde serviços essenciais como saúde e educação estão sem a atenção necessária que deveria existir. E o grande prejudicado é a população carente, que necessita de serviços básicos, como saúde e educação. #Crise #Crise econômica