"Já é Natal na Leader Magazine, então é hora da gente aproveitar...", esse refrão foi entoado durante anos. Era só tocar essa musiquinha para os consumidores saberem que estava aberta a corrida para as compras de fim de ano. Isso não deve ocorrer no natal deste ano, o triste 2016 para a economia. Isso porque o banco de investimentos BTG Pactual anunciou no mês passado que a Leader estava falindo. Controlador das lojas, o banco anunciou o pedido feito pela família Furlan, que vendeu outra marca para a Leader, a 'Seller', empresa varejista em São Paulo. A Leader comprou a Seller em 2013, tentando ampliar seu mercado na classe C.

A família Furlan, segundo informações do 'IG', reclama a falta de pagamento de R$ 9 milhões na justiça.

Publicidade
Publicidade

O Banco BTG Pactual, por sua vez, comprou a Leader Magazine em 2012 e decidiu investir, achando que a classe C, mais empoderada na economia naquela época, iria fazer as lojas de roupas e acessórios ficarem lotadas. Além dos problemas financeiros, o BTG Pactual passou a ter questões jurídicas. Seu ex-presidente, André Esteves, foi preso em 2015, após ser denunciado na Operação Lava Jato. 

A ascensão e queda do negócio foi rápida. Além da Leader, um ano depois, como informamos anteriormente, foi comprada a paulista Seller. O negócio somado chegou a 90 lojas. No entanto, o negócio não deu certo e desde o natal de 2015, a coisa desandou de vez. A Leader ainda tentou no ano passado se reestruturar, mas não conseguiu. Hoje com mais de 90 lojas, a marca da musiquinha natalina estaria devendo mais de R$ 1 bilhão.

Publicidade

E as dívidas não param de subir. 

O pedido feito pela família Furlan já aconteceu há um mês. E agora milhares de trabalhadores em todo o país não sabem se a Leader vai fechar e quando isso vai acontecer. Em entrevista ao jornal Tribuna da Bahia, Paulo Mota, representante do sindicato dos Lojistas de Salvador disse que o fechamento da empresa é lastimável e que retrata a grave crise que todo o país está passando. "A roda da economia não está girando", disse ele. Em Salvador, são 200 empregados distribuídos em cinco lojas.  #Negócios #É Manchete!