A Usiminas registrou um prejuízo de R$ 1,6 bilhão no último trimestre de 2015, contra um prejuízo de R$ 1 bilhão no terceiro trimestre do ano passado. No mesmo período de 2014 o prejuízo registrado foi de R$ 117 milhões. Em comunicado à imprensa, nesta quinta (18) a siderúrgica de Ipatinga (no Vale do Aço, em Minas Gerais), informou que os índices refletem a baixas contábeis realizadas nas unidades de mineração e siderurgias. Estas baixas, segundo divulgou a empresa, foram feitas "a fim de adequar o valor dos ativos à realidade do mercado."

O resultado é pior do que a estimativa dos analistas de mercado, que previam um prejuízo entre R$ 400 e R$ 500 milhões.

Publicidade
Publicidade

Uma divergência entre os principais acionistas da Usiminas - a Nippon Steel, de capital japonês, e a Ternium, uma joint-venture entre argentinos e italianos - vem se refletindo na gestão da companhia. O governo do Estado de Minas Gerais e os principais bancos credores já se mostraram dispostos a renegociar a dívida, mas alegam que não encontram interlocutores.

Mesmo com números negativos, a Usiminas divulgou que as vendas totais de aço no quatro trimestre de 2015 foram 2,2% maiores em relação quando comparadas com o terceiro trimestre. Ainda que o último trimestre seja "sazonalmente mais fraco", conforme ressaltou em seu comunicado. O EBITDA ajustado (lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização) do quatro trimestre registrou prejuízo de R$ 249,9 milhões, contra R$ 65,3 milhões negativos no trimestre anterior.

Publicidade

Resultado, segundo o comunicado, "devido à queda de preço de aço e queda de volume de vendas de minério de ferro."

A preocupação com os números do balanço da empresa está afetando o clima na cidade de Ipatinga (a 200 km de Belo Horizonte). O município, com cerca de 140 mil habitantes, ainda tem uma dependência econômica muito grande das atividades da empresa. São 6.500 empregos diretos e outros 6.500 indiretos e, segundo a prefeitura do município, a empresa é responsável por 51% da arrecadação de IPTU.  #Crise #Crise econômica #Inflação