Apesar de iniciar a última quinta feira, dia 10, em baixa, o mercado de ações brasileiro experimentou uma súbita elevação no final de seu pregão, com o inesperado anúncio da possível prisão de #Lula pelo Ministério Publico (MP). O índice Bovespa atingiu um ganho de 1,86%. Acompanhando a tendência dos últimos dias, quando o impeachment de Dilma volta à cena política, o dólar mostrou uma tendência de queda consecutiva, atingindo o seu menor valor nos últims seis meses.

O cenário negativo contra Lula fez a bolsa subir

Desde que as investigações da Lava Jato se voltaram contra Lula, a expectativa do mercado financeiro tem sido afetada de modo mais intenso.

Publicidade
Publicidade

Nos últimos dias, os acontecimentos políticos que envolvem o ex-presidente geraram um clima de apreensão que respingaram em Dilma Rousseff, cada vez mais enfraquecida, ante a provável queda de seu antecessor político.

A influência dos fatos recentes foi sentida na Ibovespa, com uma elevação que atingiu os 49.571,10 pontos, ao final desta última quinta feira e que representou um valor positivo de R$ 11,806 bilhões. Os papéis das grandes instituições brasileiras terminaram o dia em alta. São elas: Petrobras, com alta de 4,6%, o Banco do Brasil (elevação de 5,91%), Itaú Unibanco ( 3,92%), Bradesco ( ganhos de 2,98% e 3,26%, para os índices PN e ON, respectivamente) e BM&FBovespa (4,60%). As únicas quedas observadas foram nas ações do Santander, totalizando 0,88% negativos.

As grandes empresas que operam no Brasil também foram afetadas.

Publicidade

A Vale teve uma desvalorização de 6,89% e 3,44% para os índices PNA e ON, nesta ordem. Entretanto, a CSN, Gerdau, Gerdau Metalúrgica  e Usiminas PNA, tiveram ganhos que variaram entre 7,5% a quase 15%.

A queda do dólar parece uma constante enquanto Dilma estiver no poder

Atingida pelos sucessivos fatos negativos que envolvem o ex-presidente, Dilma experimenta um crescente enfraquecimento que se reflete na política cambial brasileira. Se as ações das empresas forma valorizadas, o efeito contrário é experimentado pela cotação da moeda americana, que atingiu o valor mais baixo no último semestre. No dia em que foi anunciado o pedido de prisão de Lula, a cotação do dólar foi de R$ 3,624. Diante do quadro, cresce entre os operadores do mercado financeiro a idéia de que, a saída de Dilma, seria a melhor forma de barrar a crise da moeda estrangeira no Brasil. Este fato seria relevante para acalmar o mercado financeiro em toda sua totalidade.

Nos últimos dias, o real, surpreendentemente, alcançou uma elevação frente ao dólar. ao euro e à libra e se destacou como uma das moedas mais valorizadas, dentre os países tidos como emergentes. As expectativas diante do futuro de Lula e Dilma, frente às investigações da Lava Jato e a retomada do processo de impeachment, assim como a adesão da população nos protestos que se iniciarão a partir deste domingo, dia 13, são fatores que deverão afetar diretamente o futuro econômico do Brasil nos próximos dias.      #Corrupção #Crise econômica