Em tempos onde a falta de crédito assola o mercado, em especial o imobiliário, a Caixa Econômica Federal tomou algumas medidas com a finalidade de “dar uma mãozinha” para a aquisição da casa própria.

Linha de crédito, financiamento do segundo imóvel e de imóveis usados estão entre algumas das medidas tomadas no sentido de reaquecer o setor de financiamento imobiliário.

Mais rentabilidade e eficiência

De acordo com Miriam Belchior, presidente da Caixa, aumentar o limite de cota do financiamento imobiliário para 70% é um fator primordial para aumentar a demanda por habitação.

Financiar a compra de um segundo imóvel propiciará também ao cliente da Caixa, a opção de manter dois financiamentos simultâneos, ganhando também mais tempo para vender o primeiro caso seja de sua vontade.

Publicidade
Publicidade

Com as medidas anunciadas nesta terça-feira, a ideia é que haja a elevação de 13% dos recursos destinados ao crédito à habitação, o que pode ser traduzido no valor de R$ 16,1 bilhões. Comparando com o ano de 2015, a previsão estimada é a do financiamento de 64 mil unidades adicionais.

O banco também visa cortar custos para conquistar excelência no setor, propiciando maior eficiência e mais rentabilidade.

Governo tenta impulsionar a economia

Ao recorrer aos bancos em busca de oferta de crédito, o Governo Federal visa impulsionar a economia do país. Esta estratégia já fora sinalizada no final de janeiro, quando o #Governo divulgou um pacote de crédito de R$ 83 bilhões através de bancos estatais, incluindo a própria   Caixa, além do Banco do Brasil e do BNDES.

FGTS liberou recursos

Recursos adicionais do Fundo de Garantia serão usados neste aumento de oferta de crédito.As taxas de juros ficarão numa variável de 7,85 a 8,85% ao ano, no caso dos imóveis com valor de até R$ 750 mil.

Publicidade

De acordo com a presidente da Caixa Econômica Federal, Miriam Belchior: "Essas medidas têm duplo impacto, uma vez que viabilizam o acesso à moradia para a população e aquecem o segmento da construção civil, gerando mais empregos e renda”. #Finança #Inflação