A crise em que o país vive, fez com que, milhões de pessoas perdessem o emprego, e milhares de fábricas fechassem as portas em apenas um ano somente no estado de São Paulo.

Com a queda da demanda, falta de incentivo por parte do governo, aumento dos impostos, dólar alto, inflação, custos energéticos nas alturas, fizeram com que vários segmentos não suportassem e fechassem as portas definitivamente.

O número de fábricas desativadas de 2015 a 2016 foram 24% maior do que período de 2014 a 2015, devido a #Crise em que o Brasil esta passando, segundo a Junta Comercial de SP. Em 2014 a 2015 fecharam 3.584 fábricas e em 2015 a 2016 já são 4.451.

Publicidade
Publicidade

Muitos desempregados não receberam salários e rescisão, o que piora ainda mais a vida destes trabalhadores. O IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística) divulgou o balanço, onde mostra o cenário atual do #Desemprego no país. Segundo o IBGE de novembro de 2015 a janeiro de 2016 foram fechados 1.131 milhões de vagas de emprego em todo país, sendo um recorde para o período de apenas três meses.

As indústrias seguem preocupadas com o seu futuro, já que fábricas que foram líderes em seu segmento, estão fechando as portas, assim como, esta semana três indústrias metalúrgicas de grande porte localizados em Guarulhos, grande SP, encerraram suas atividades esta semana, são elas Eaton, Maxion, Randon.

Vários setores tiveram uma retração de 50% e não existe nenhuma perspectiva de melhora, o que fizeram a indústria Randon fechar as portas.

Publicidade

Sem uma estratégia bem defina pelo governo, para tirar as indústrias do atoleiro, e a falta de investimentos e incentivos fiscais e tributários, a continuidade de milhares de indústrias estão por um fio, assim como o emprego de milhões de trabalhadores, que são os maiores prejudicados nesta escala desigual.

Mas, enquanto o Governo Federal, não planejar uma forma equilibrada e consistente de apoio as pequenas e grandes indústrias, em caráter de urgência, o cenário de falência e encerramento de atividades continuará andando a passos fortes. Prejudicando ainda mais o Brasil de forma que a volta por cima fica cada vez mais difícil. #Crise econômica