As Organizações Globo também passam pela crise econômica e política que atinge o Brasil. Isso é sentido mais fortemente pelo seu maior braço econômico, a TV Globo. De acordo com informações do jornalista Daniel Castro em matéria publicada nesta quinta-feira, 17, a emissora está tentando negociar salários mais altos inferiores à inflação de 2015, que beirou a casa dos 12%. Nomes que recebem de R$ 100 mil a mais de R$ 1 milhão são convencidos a aceitar um reajuste de apenas 5%. Como o número é 7% menor que a inflação, equivale dizer que na prática esses profissionais aceitaram uma redução salarial neste patamar. Um dos objetivos da Globo é evitar que as equipes que produzem os programas desses profissionais tenham cortes salarias, ou pior, que haja uma demissão em massa. 

Pode não parecer muito a redução.

Publicidade
Publicidade

Mas colocaremos no exemplo nomes como Luciano Huck, Galvão Bueno e Ana Maria Braga, que recebem em média R$ 1 milhão por mês. Em um ano, a diferença no pagamento chega a ser de R$ 600 mil, dinheiro que a empresa de comunicação está usando para conseguir pagar muita gente. Não contando encargos trabalhistas e décimo terceiro, daria com essa poupança, por exemplo, para contratar dez profissionais que ganham R$ 5 mil por mês. Só para ter uma ideia, os profissionais de nível superior da emissora ganham nas matrizes (na primeira faixa salarial) entre R$ 3 e R$ 4 mil (Números até novembro de 2015).

Sindicato não aceita reajuste baixo

A batalha para pagar menos não foi bem aceita por todos. O canal não quer fazer isso só com quem ganha fortunas todos os meses, mas também com seu jornalistas de São Paulo.

Publicidade

Há três meses, a categoria e a emissora brigam pelo reajuste salarial. A Globo queria no início reajustar os salários em apenas 5%, enquanto a categoria não aceita que essa mudança seja menor do que 11%. Depois de muita negociação, a empresa aceitou em fevereiro dar 1% a mais de reajuste, chegando a 6%, mas o acordo ainda não foi feito entre as partes e não há qualquer sinal que isso aconteça a curto prazo. #Negócios #Desemprego #Rede Globo