O Brasil tem registrado as piores taxas de desemprego dos últimos anos e o mercado de trabalho está contraído seguindo o ritmo da economia. Indicadores como o rendimento médio do trabalhador também estão diminuindo assim como está ocorrendo o aumento do tempo de espera para realocação no mercado de trabalho.

Os indicadores não demonstram que a piora está ocorrendo somente em um setor específico. Ao contrário, todos sinalizam para uma #Crise do mercado de trabalho que ainda pode ficar pior.

Indicadores de trabalho

Os números apresentados pelo Boletim de Indicadores de Trabalho Catho-Fipe referente ao mês de Janeiro/16 são piores que aqueles apresentados em 2015.

Publicidade
Publicidade

Houve queda de 2,7% no número de vagas abertas de emprego em comparação a dezembro/15.

Em relação as novas vagas de emprego o número foi ainda maior, perda de 11,4% do número de vagas comparando com o valor apurado em Janeiro/15. Além disso esse foi o 19º mês consecutivo de queda do índice em comparação com o mesmo mês do ano anterior. Segundo a Catho-Fipe nunca houve um período tão prolongado de queda como o atual.

Segundo o economista Raone Costa, pesquisador sênior da Fipe, em entrevista para o site Exame.com, o mercado apresenta uma tendência de declínio, sem perspectiva de melhora a curto prazo.

Franquias

Entretanto, são nesses momentos que a característica empreendedora do brasileiro se destaca num cenário pessimista. A partir da dificuldade de recolocação e com dinheiro para realizar seu sonho muitas pessoas buscam colocar em práticas antigos projetos.

Publicidade

E seguindo a orientação de abrir um novo negócio tem o setor de franquia que mesmo na crise ainda alcança taxas de crescimento. A franquia surge como uma opção de investimento para aqueles que buscam contar com uma marca reconhecida, suporte de marketing, logística de materiais e conhecimento do mercado.

Isto porque, alguns fatores em momentos de crise acabam tornando-se mais vantajosos que em períodos de crescimento, como por exemplo: locação de espaços comerciais, empregados mais qualificados, maior possibilidade de desconto e fidelização dos clientes por meio de um atendimento personalizado.

O mercado está ficando pior para o trabalhador, mas apresenta oportunidades para o empregador, seja aquele que está reorganizando o seu negócio ou o empresário que está montando o seu negócio. #Crise no Brasil #Crise migratória