A JBS é a maior processadora de carne bovina do mundo. No momento, está à espera de uma melhor oferta de animais para abate, que virá dos Estados Unidos, com previsão apenas para o segundo trimestre. O primeiro trimestre está sendo desafiador, segundo afirmou Wesley Batista, presidente-executivo da JBS (JBSS3) nesta quinta-feira (17).

A empresa está recorrendo aos Estados Unidos para a recomposição de rebanhos de animais para abate, aumentando assim três milhões de animais em 2015. Sendo isso um claro sinal de que haverá dias melhores, mas a grande duvida é: "quando isso irá acontecer?" - palavras ditas por teleconferência entre o analista do setor e o executivo da empresa.

Publicidade
Publicidade

Nas vésperas de encerrar o quarto trimestre, a JBS divulgou o prejuízo de cerca de R$ 275 milhões, resultado bastante diferente do mesmo período de 2014, que teve por final o saldo positivo de cerca de R$ 618,8 milhões.

Wesley Batista considerou a divisão norte-americana da empresa como a mais desafiadora da JBS, apurou lucro antes da depreciação, juros, impostos e amortização (Ebitda) negativos de 25,2 milhões de dólares, em comparação ao ano de 2014, que teve o resultado positivo de 325 milhões de dólares.

André Nogueira, presidente da JBS dos Estados Unidos, prevê um crescimento na oferta de animais para abate depois do segundo trimestre deste ano, criando assim a grande possibilidade de uma melhora na rentabilidade da JBS, pois, a carne com o preço reajustado poderá abrir as portas para outro nível de exportações no pais e também para menores importações.

Publicidade

André ainda comentou que “não vai necessariamente para o mercado doméstico, a produção adicional de bois poderá ser para outros fins”.

No Brasil, a empresa JBS teve cinco unidades de processamento de bovinos com as atividades suspensas no inicio deste mês. Os funcionários receberam férias coletivas de 20 dias. Wesley Batista informou que a suspensão na produção ocorreu por falta de matéria-prima (bovinos para abate), mas a falta de rentabilidade não quer dizer que há planos de fechar por definitivo as instalações no Brasil. #Crise #Pecuária #Crise econômica