Alexandra Andresen. Este é o nome da bilionária mais jovem do mundo. Com apenas 19 anos, a norueguesa atingiu o posto mais alto da lista divulgada pela revista americana Forbes. De acordo com a publicação, Alexandra tem em seus cofres uma fortuna estimada em 1,18 bilhão de dólares. Atrás dela, sua irmã, Katharina Andresen, de 20 anos. Juntas, elas acumulam um montante de aproximadamente 2,4 bilhões de dólares.

Naturais de Oslo, capital da Noruega, as bilionárias receberam a bolada do pai, Johah Andresen, em 2007, que transferiu para cada uma 42% das ações da Ferd, forte no mercado tabagista norueguês e que, atualmente, expandiu sua área de atuação em diversos setores.

Publicidade
Publicidade

Entre eles, o ramo imobiliário e o de tecnologia. O sobrenome Andresen, aliás, lista entre os empreendedores escandinavos desde o século 18 e há muito é conhecido entre os bem-sucedidos.

Curiosamente, nenhuma das herdeiras atua na Ferd. Enquanto Alexandra estudou na Universidade de Ciência e Tecnologia da Noruega e passa atualmente seus dias na Alemanha, atuando no ramo de equitação, Katharina mora em Amsterdã, onde estuda Ciências Sociais. Apesar de ser difícil de acreditar, ambas levam uma vida relativamente sem luxos, conduzindo carros usados e com planos de conseguir um trabalho no futuro. Ambas não gostam de badalações e preferem passar os seus dias de maneira mais tranquila, mantendo a privacidade ao lado de parentes e amigos mais íntimos.

“Existe a necessidade (de se ter dinheiro) mas não é preciso em abundância.

Publicidade

Custa dinheiro manter um cavalo e o fato da minha família ter recursos tem me dado muitas oportunidades, especialmente na equitação, porque requer muito capital”, confessou Alexandra, em uma entrevista divulgada no site da própria Ferd.

Entre os mais jovens, as irmãs Andresen aparecem no topo da lista. Já na listagem geral da Forbes entre os mais ricos do mundo, as norueguesas aparecem na 1476º posição. O posto maioral ficou para o já conhecido Bill Gates, com uma fortuna estimada em 75 bilhões de dólares. #Negócios #Finança #EUA