O Governo brasileiro está com uma dívida bilionária junto às empresas de transmissão de energia e a conta acabará sendo paga pelos brasileiros. A indenização devida a estas empresas terá que começar a ser paga já em 2017, e os consumidores é que terão que arcar com mais esta despesa.

E para isso, as contas de luz irão sofrer fortes reajustes, garantindo que este dinheiro extra possa pagar as "elétricas".  O Ministério de Minas e Energia já publicou a determinação no Diário Oficial desta sexta-feira, dia 22 de abril, mas não ficou determinado de quanto será o aumento na conta de luz.

E os brasileiros já podem preparar o bolso porque o pagamento da indenização bilionária tem previsão de durar cerca de 8 anos.

Publicidade
Publicidade

Estas empresas de transmissão de energia têm direito a reajustes em determinados períodos e a proposta do Governo brasileiro é que o cálculo para estes reajustes leve em consideração o valor da dívida, assim, o consumidor terá que arcar não só com o aumento já previsto na conta de luz, como também um valor a mais que será referente ao pagamento desta indenização bilionária.

A princípio, o pagamento desta dívida começaria a partir de 2019, mas as empresas do setor de energia recusaram e pressionaram para adiantar o início do pagamento, justificando que não possuem recursos para realizarem novos investimentos que precisam ser feitos e, por causa disso, o prazo para início dos reajustes nas contas de luz foi antecipado para o ano que vem.

O motivo desta indenização que o brasileiro terá que pagar é que, em 2012, o governo de #Dilma Rousseff resolveu reduzir o valor da conta de luz, inclusive para empresas e indústrias em geral.

Publicidade

O setor já vinha reivindicando isso há alguns anos e, finalmente, foi atendido.

Só que, ao tomar esta decisão, Dilma encerrou contratos que estavam vigorando e fez outros com valores reduzidos sem antes comunicar às empresas. A petista usou o argumento de que iria indenizar estas empresas em relação aos investimentos já feitos por elas.

Agora, o brasileiro terá que arcar com o pagamento de uma indenização no valor de R$ 3,9 bilhões e a autorização já foi dada pela Aneel.

A Copel, e também a Cemig, estão querendo ser indenizadas, por isso o consumidor brasileiro pode se preparar para um 2017 de gastos extras. #Crise no Brasil #Inflação