Os recursos depositados nas cadernetas de poupança tiveram retiradas menores no mês de março, mas nos três primeiros meses do ano obtiveram recordes, de acordo com o BC (Banco Central), divulgado nesta quarta-feira (6).

No mês anterior, as saídas ultrapassaram os valores de R$ 5,37 bilhões. Diante desse resultado, a retirada das quantias da caderneta de poupança retrocedeu em relação a março de 2015, quando esteve em R$ 11,43 bilhões, no comparativo ao mês de fevereiro de 2016 chegou a R$ 6,63 bilhões.

Nos três primeiros meses de 2016, a saída de dinheiro da poupança foi recorde e ficou em R$ 24,05 bilhões, no ano anterior, foi de R$ 23,23 bilhões, mesma época de 2015, recorde de antes.

Publicidade
Publicidade

Em 2015 foram perdidos investimentos de R$ 53,36 bilhões. No período de 10 anos foi a única vez que ocorreu a maior retirada de recursos diante de entradas de dinheiro na poupança. Foi considerada a maior saída de dinheiro desde o começo da sequência histórica do Banco Central.

A movimentação na poupança

As entradas de dinheiro na poupança referente ao mês anterior chegaram a R$164,39 bilhões e as retiradas somaram R$169,77 bilhões. O capital contabilizado nas cadernetas dos clientes totalizaram R$3,9 bilhões no mês de março.

Devido à fuga de capital nos investimentos, o total poupado na caderneta caiu. No mês anterior, o volume da poupança foi de R$ 644 bilhões versus R$ 646 bilhões no mês de fevereiro e R$ 656 bilhões no final de 2015.

A crise

A retirada de recursos da caderneta ocorre diante da crise econômica que o Brasil enfrenta.

Publicidade

Os ganhos dos brasileiros estão comprometidos devido à elevada inflação, juros abusivos, falta de empregos e impostos. Diante desses fatores, as famílias estão com muitas dívidas.

As causas que levaram as pessoas a retirarem os depósitos da poupança foram os juros baixos, mas outros investimentos estão melhores. Os fundos de renda fixa rendem mais por causa da Selic. A caderneta de poupança, quando tem os juros das aplicações maiores que 8,5% a.a., fica limitada a 6,17% a.a., junto com a Taxa Referencial.

Segundo a Anefac (Associação Nacional dos Executivos de Finanças, Administração e Contabilidade), os juros básicos estão em 14,25% a.a., os investimentos em renda fixa (fundos de investimento) ganham mais interesse do que a poupança, por parte dos investidores.

As aplicações na poupança só valem a pena quando a taxa é maior que 2,5% a.a. Os rendimentos da caderneta em 2015 foram menores que a inflação. Os rendimentos da poupança na taxa de 8,15% a.a. perderam para a inflação que foi de 10,67% em 2015, segundo o IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística).

Publicidade

Tirando a inflação, a poupança perdeu o seu poder de compra em torno de 2,28%, segundo a Economatica, resultado ruim desde 2002.

A poupança

A caderneta de poupança pode ser uma saída em alguns casos, como para quem guarda pouco dinheiro, para os investidores de pequeno prazo, ou para os que desejam criar uma poupança de reserva, para eventuais emergências, pois não há o IR (Imposto de Renda).

Na aplicação do tesouro direto (compra de títulos do governo pela internet) é cobrado o IR (Imposto de Renda) e taxa de administração.

Com as pessoas retirando o dinheiro e aplicando menos na poupança, o financiamento da casa própria caiu, pois a caderneta é usada como recurso de financiamento pelos bancos.

A CEF (Caixa Econômica Federal) divulgou que elevou os juros do financiamento da casa própria, o primeiro aumento dos juros no ano.

  #Finança