O Brasil intercala atualmente dois problemas que interferem diretamente no crescimento de um país, primeiramente uma latente crise política, que por consequência, acaba atingindo a economia, crise essa que motiva o encerramento de algumas fábricas, que não conseguiram manter seus níveis de produção e acabaram fechando as portas. Milhares de pessoas que dependiam dessas empresas para sobreviver, terminaram por aumentar a taxa de desempregados. A seguir veja quais foram as fábricas fechadas durante a #Crise econômicasendo que essas informações estão baseadas em dados divulgados no mês de abril de 2016 pelo site Exame.com.

1) GE (General Electric) – A gigante do ramo metalúrgico teve que fechar as portas da unidade de Canoas, localizada no estado do Rio Grande do Sul.

Publicidade
Publicidade

2) Malwee – Foi grande o número de demissões, cerca de 300 funcionários foram demitidos, a Unidade de Blumenau foi encerrada e a empresa alegou que teve que fechar a fábrica pela atual panorama econômico do Brasil.

3) Souza Cruz – Outra fábrica fechada no estado do Rio Grande do Sul. A empresa alegou que os impostos estavam muito elevados. Muitos funcionários foram demitidos, e somente 50 pessoas serão realocadas.

4) Ambev – Desta vez foi a unidade do Rio Grande do Sul que sofreu as consequências da crise: a Ambev está desativando aos poucos a fábrica.

5) Arno – A Mooca perderá a unidade da Arno - eram mais de 2.000 empregos que serão vagos quando a empresa fechar definitivamente as portas.

6) Microsoft – A empresa na verdade não fechou sua unidade, ela a vendeu, e a nova dona não quis realocar os antigos empregados da Microsoft, assim foram demitidas cerca de 1.200 pessoas da fábrica de Manaus.

Publicidade

7) Duratex – Outra fábrica fechada em São Paulo. A empresa alegou que o panorama do mercado interno não está muito propenso e assim paralisou sua produção.

8) Basilar – Com 215 empregados demitidos, a empresa fechou as portas, admitindo não haver mais condições de manter a unidade de Jaboticabal em São Paulo.

9) TVP – A empresa fechou as portas em Jundiaí e o resultado foi mais de 300 demissões.

Ainda não se sabe quando a economia brasileira irá se restabelecer, mesmo sabendo que isso demanda tempo, espera-se que mercado nacional demostre uma resposta rápida, para que mais empresas nacionais e internacionais não continuem fechando as portas e deixando assim milhares de desempregados. #Desemprego