Na última terça-feira (17), o Ministro da Fazenda, Henrique Meirelles anunciou o novo presidente do Banco Central, o Economista-Chefe do Banco Itáu, Ilan Goldfajn.

Goldfajn é graduado em Economia pela UFRJ, mestre pela PUC-Rio e Ph.D em Economia pelo Instituto de Tecnologia de Massachusetts (MIT). Atuou como consultor de organizações internacionais (como Banco Mundial, FMI e Nações Unidas), do governo brasileiro e do setor privado.

Em seu perfil no Linkedin encontramos um currículo admirável. Certamente, a indicação para presidência do Banco Central é fruto de reconhecimento do seu trabalho.

Goldfajn atuou durante três anos no Fundo Monetário Internacional (FMI) e foi Diretor de Política Econômica do Banco Central, entre os anos de 2000 e 2003.

Publicidade
Publicidade

Fez parte da equipe de transição do comando de Arminio Fraga para Meirelles no início do governo Lula.  Foi Economista-Chefe na Gávea Investimentos e Sócio-Fundador da Ciano Investimentos de onde saiu, em 2008, para fundar a Ciano Consultoria. Exerceu o cargo de diretor do CDPP – Centro de Debates de Políticas Públicas. Foi também diretor do Instituto de Ensino e Pesquisa em Economia da Casa das Garças (IEPE-CdG). O último cargo ocupado foi de Economista-chefe e sócio do Itaú Unibanco, em que responsável pela modelagem e elaboração de cenários para a economia brasileira.

Goldfajn também atuou como professor do Curso de Mestrado em Finanças Internacionais e em Macroeconomia da PUC-RIO, entre 1999 e 2009. Também esteve presente como professor visitante em várias universidades internacionais.

Publicidade

É autor de livros e diversos artigos acadêmicos sobre política econômica.

A indicação foi bem recebida pelos economistas e até Alexandre Tombini, elogiou a escolha em nota divulgada.  A sua indicação é vista como positiva e sinaliza uma confiança de que o crescimento econômico poderá ser retomado e de que os juros entrarão numa trajetória de queda gradual. Goldfajn tem fama de ser é muito exigente e atento aos detalhes em relação à qualidade do trabalho. 

Além de uma sólida experiência profissional, Goldfajn possui uma trajetória acadêmica brilhante e fazem crer que sua gestão do Banco Central será bem sucedida. #Crise econômica #Crise no Brasil