A Zona de Processamento de Exportações (ZPE) do Ceará ganhará uma fábrica de componentes automotivos. As negociações foram fechadas com o ex-piloto de Fórmula 1 e tricampeão mundial de automobilismo, Nelson Piquet, que reservou uma área de três hectares. O ex-piloto esteve semana passada na área da ZPE, instalada no Pecém, na região metropolitana de Fortaleza, fechando os detalhes do projeto com o secretário de Assuntos Internacionais do Governo do Ceará, Antônio Balhmann, e com o presidente da ZPE Ceará, Mário Lima Júnior. 

A fábrica, segundo o secretário Antônio Balhmann, trabalhará com tecnologia italiana para a produção de componentes automotivos destinados ao mercado exportador.

Publicidade
Publicidade

O investimento será da ordem de US$ 7 milhões. Piquet pretende instalar uma fábrica de pneus especiais na nova área da ZPE Ceará para exportar para os mercados americano e da Europa. Segundo Nelson Piquet, a fábrica envolverá alta tecnologia na produção de pneus para competição. “Sempre fui muito ligado ao Estado do Ceará e sempre quis fazer algo por aqui. Após a instalação dessa planta, podemos entrar em outros nichos de mercado”, afirmou durante reunião com os gestores do governo do Ceará.

A ZPE do Ceará foi uma das primeiras a ser instalada no Brasil, em dezembro de 2010, inicialmente em uma área 571,9 hectares, sendo a área total de 4.271,41 hectares, no município de São Gonçalo do Amarante, no Complexo Industrial e Portuário do Pecém - CIPP, a cerca de 60 km de Fortaleza. Atualmente, quatro empresas estão instaladas - CSP, Vale Pecém, White Martins e Fênix Pecém.

Publicidade

A instalação dessas empresas exigiu investimento total de U$ 6 bilhões. Só da CSP foram U$ 5,4 bilhões. 

Em abril, o Conselho Nacional das Zonas de Exportação (CZPE), ligado ao Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior (MDIC), aprovou a expansão da poligonal da ZPE do Ceará. A área aumentou dos 4,2 mil para 6,182 hectares. A expansão engloba também o terreno destinado à instalação da Refinaria Premium II, cancelada no início do ano passado pela Petrobras. A nova área será destinada à alocação de possíveis empreendimentos do setor petrolífero (plantas de refino), além de fomento à outras estruturas, tais como indústrias de calçados, têxteis, rochas ornamentais e fábricas automobilísticas. No momento estão em negociação mais de 20 empresas na área de mármore e granito.  #Automobilismo #Europa #Petrobras